Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Venezuelanos escolhem nova Assembleia Nacional

  • 333

Nicolás Maduro garante que vai respeitar o resultado das eleições na Venezuela

CARLOS GARCIA RAWLINS/REUTERS

A segurança do ato eleitoral é garantida por 163 mil militares. O Presidente Nicolás Maduro apelou à paz e à democracia

Mais de 19,8 milhões de venezuelanos estão inscritos para as eleições deste domingo, de que resultará um novo parlamento de 167 deputados, três dos quais em representação das comunidades indígenas.

Para um mandato de cinco anos, concorrem 1.799 candidatos, entre os quais cinco luso-descendentes.

Com a participação de quase duas dezenas de formações políticas, as atenções estão divididas entre o Grande Polo Patriótico, a aliança de partidos afetos à revolução bolivariana, e a coligação da oposição Mesa de Unidade Democrática, além de um importante número de candidatos independentes.

A segurança do escrutínio será assegurada por 163.000 militares, segundo anunciou o ministro da Defesa, Vladimir Padrino López. As urnas abrem às 10h30, hora de Lisboa.

O ato eleitoral será acompanhado por missões de observação eleitoral da União de Nações da América do Sul e do Conselho de Peritos Eleitorais da América Latina.

Maduro apela à paz e à democracia

O Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, pediu, este sábado, aos venezuelanos para darem “um exemplo de paz e democracia” no dia das eleições.

“Que o nosso povo se levante tranquilo, sorridente, orgulhoso de ser a pátria de Simón Bolívar (...) e demos um exemplo à humanidade de paz e de civismo, de participação, de democracia verdadeira”, afirmou o Presidente venezuelano, durante uma reunião com observadores internacionais e convidados especiais do Conselho Nacional Eleitoral (CNE) e do Grande Polo Patriótico, a aliança de partidos afetos à revolução bolivariana.

Nicolás Maduro realçou que a chamada revolução bolivariana e o seu Governo vão reconhecer o resultado que for proclamado pela autoridade eleitoral: “Digo-o aqui (...). A revolução respeitará os resultados eleitorais que emanem da vontade popular, sejam quais forem, de forma estrita e impecável”.