Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Richard Branson lança serviço de envio de satélites para o espaço

  • 333

Lucas Jackson / Reuters

A adaptação de um Boeing 747 para o efeito, o Cosmic Girl, permitirá à Virgin Galactic oferecer este novo serviço, que custará aos interessados mais de nove milhões de euros

Chama-se Cosmic Girl a nova menina dos olhos de Richard Branson. O avião que o bilionário, fundador da Virgin, pretende usar para enviar satélites para o espaço foi apresentado, esta quinta-feira, como a mais recente aquisição da sua empresa de transporte espacial, a Virgin Galactic.

Em causa está um novo método de lançamento de foguetes - algo caríssimo, dada a tecnologia envolvida e os custos relativos ao combustível - agora com recurso a um Boeing 747.

No caso do Cosmic Girl, o aparelho será adaptado de forma a transportar debaixo da asa esquerda o foguete LaucherOne, o veículo especial para lançar satélites que a Virgin está a desenvolver. Esse é o local onde, habitualmente, os outros 747 alojam um quinto motor.

Tal como explicou a empresa, para lançar o foguete o 747 precisa de alcançar pelo menos 10 mil metros de altitude, podendo então o dispositivo ser largado e acelerar de forma autónoma, até entrar em órbita. Cumprida a tarefa no espaço, o foguete regressará à superfície, com a ajuda de paraquedas, podendo ser reutilizado em novos lançamentos.

Esta é ainda uma forma de tornar mais barato o lançamento de satélites, apesar de este método permitir apenas trabalhar com equipamentos mais pequenos.

Tabela de preços também já existe. No site da Virgin é explicado que o custo de colocar em órbita um satélite de até 200 quilos, ascende a 10 milhões de dólares (9,3 milhões de euros) e o voo de estreia até já está previsto: acontecerá em 2016.

O foguete LaucherOne não é a única novidade da Virgin Galactic, que tem também em mãos um projeto para uma nave espacial para levar turistas ao espaço, a SpaceShipTwo.

No caso desta aeronave, o auxiliar será o avião WhiteKnightTwo. Com um custo estimado, por bilhete, de um milhão de dólares (935 mil euros), a área do turismo espacial deverá estrear até ao final desta década.

Citado pelo “The Telegraph”, Richard Branson admite que “o Boeing 747 tem um lugar muito especial” no seu coração, por ser o modelo com que se lançou na sua primeira companhia aérea, a Virgin Atlantic. “Nunca imaginei que hoje um dos nossos 747 teria uma segunda chance e ajudaria a permitir o acesso livre para o espaço. Estou absolutamente encantado pelo facto de o Cosmic Girl poder ficar na família Virgin”, acrescenta.