Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Turquia apresenta “condolências” à Rússia por morte de piloto

  • 333

Este foi o primeiro contacto de alto nível entre os dois países depois do abate de um caça russo pela aviação turca na fronteira síria

O ministro dos Negócios Estrangeiros turco anunciou, esta quinta-feira, que o seu país apresentou “condolências” à Rússia pela morte do piloto cujo avião foi abatido pela aviação turca, causando uma grave crise entre os dois países.

“Expressámos a nossa tristeza e demos as nossas condolências pela morte do piloto russo”, declarou Mevlut Cavusoglu, citado pela imprensa turca, após uma reunião em Belgrado com o seu homólogo russo, Serguei Lavrov.

Tratou-se do primeiro contacto a este nível entre os dois países depois do abate do avião de combate russo pela aviação turca na fronteira síria, a 24 de novembro.

Cavusoglu congratulou-se com a atmosfera do encontro, mas afirmou que não seria “realista dizer que os problemas foram ultrapassados durante uma primeira reunião”.

“É importante manter os canais de diálogo abertos”, disse ainda o chefe da diplomacia turca, acrescentando que “existe, dos dois lados, a vontade de que não haja uma escalada das tensões”.

“Estou certo de que o bom senso prevalecerá sobre as emoções”, observou.

Em declarações à televisão russa, Lavrov afirmou também que não houve avanços. “Reunimo-nos com o senhor Cavusoglu (...) Não ouvimos nada de novo: o ministro turco confirmou a posição que já tinham expressado, e nós confirmámos a nossa”, resumiu.

Antes do encontro, os altos responsáveis russos recusavam qualquer contacto com os seus homólogos turcos e exigiam um pedido de desculpas oficial de Ancara.

O Presidente russo, Vladimir Putin, depois de se ter recusado a atender os telefonemas do Presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, evitou-o durante a conferência sobre o clima (COP21) em Paris.

Na quarta-feira, Moscovo chegou mesmo a acusar Erdogan e a sua família de lucrarem com o contrabando de petróleo que está a ser efetuado pelo grupo extremista Estado Islâmico na Síria.

“Respondemos a essas acusações e esperamos que eles as abandonem, porque são infundadas”, comentou Cavusoglu.