Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

San Bernardino. Terroristas terão voltado a atacar os EUA

  • 333

FREDERIC J. BROWN / AFP / Getty Images

Na sequência da investigação ao massacre desta quarta-feira na Califórnia, fontes do FBI ouvidas pelo Expresso inclinam-se para um atentado terrorista

Ricardo Lourenço, correspondente nos Estados Unidos

A Polícia Federal Americana (FBI) não afasta a possibilidade do tiroteio registado esta quarta-feira na cidade de San Bernardino, estado da Califórnia, ter sido uma operação terrorista. “Não há certezas nesta altura, mas há suspeitas, pistas interessantes, que nos levam a equacionar essa possibilidade”, diz ao Expresso Lourdes Arocho, porta-voz do FBI.

O ataque, levado a cabo na manhã desta quarta-feira (tarde em Lisboa) no Inland Regional Center, um dos 21 centros californianos de apoio a pessoas com doenças mentais, provocou 14 mortos e 17 feridos.

“Parece terrorismo. O que estão a fazer agora é mobilizar equipas e material para confirmar dados da investigação. Não sei que tipo de terrorismo, se doméstico ou internacional, mas inclino-me, fortemente, para essa possibilidade”, garantiu, ao canal de televisão CBS, Chris Swecker, antigo vice-diretor do FBI.

Após as sucessivas ameaças do autointitulado Estado Islâmico (Daesh) contra os EUA, reforçadas após os atentados de Paris, o receio de um ataque em território americano aumentou.

Em entrevista exclusiva ao Expresso, Collin Rowley, uma agente veterana do FBI, que em 2002 foi eleita pela revista “Time” uma das 100 figuras do ano, na sequência das investigações aos atentados de 11 de Setembro de 2001, afirma que o ataque de San Bernardino é muito suspeito. “Será um ataque terrorista islâmico. A articulação entre dois ou mais elementos armados, o fardamento, o rigor operacional com um timing perfeito, tudo isto afasta-se do perfil de ataque levado a cabo por um lobo solitário, demente, que com frequência pega numa arma e mata uma série de pessoas, como vimos em Sandy Hook, há três anos, ou no Colorado, na semana passada, contra um escritório da Agência Federal de Planeamento Familiar”.

Rowley teme que seja tarde de mais para impedir ataques de grupos radicais islâmicos e aponta o dedo às sucessivas administrações do país. “Com Bush tivemos o famoso programa de interrogatórios da CIA, que incluiu tortura. Com Obama tivemos programas de assassínio seletivo com recurso aos drones (aviões não tripulados). Ambos se enganaram e ajudaram a criar um monstro”.

Tese alternativa: acerto de contas entre colegas

Fontes ligadas à investigação indicam, porém, que pelo menos um dos elementos envolvidos no tiroteio terá estado envolvido numa rixa no auditório do Inland Regional Center. Esse mesmo indivíduo abandonou o recinto, mas voltou, pouco depois, armado e acompanhado por um ou dois cúmplices.

“Se tal se confirmar, seria um caso de ‘Going Postal’. O termo remonta aos primeiros ataques levados a cabo por empregados dos correios americanos, decididos em ajustar contas com colegas ou chefes por motivos vários”, explica Rowley.

Em Washington, os serviços de imprensa da Casa Branca mantiveram-se em silêncio durante toda a noite, embora o Presidente Barack Obama, minutos após o ataque em San Bernardino, tenha dado a entender que se tratava de mais um massacre provocado pelo acesso desregulado às armas.

Sobre este ponto, diga-se, os Estados Unidos possuem 5% da população mundial mas 50% de todas as armas. Nos últimos dez anos, mais de 100 mil americanos foram alvo de massacres levados a cabo por compatriotas. Durante esse mesmo período, cerca de 300 sucumbiram a atentados terroristas dentro e fora dos EUA.

Em San Bernardino, o FBI prossegue com várias operações. Uma delas centra-se no apartamento de um dos autores do ataque, onde se teme que possam existir explosivos.

Dois dos suspeitos foram mortos durante os confrontos com as autoridades. Um deles é Syed Farook, um cidadão norte-americano que terá trabalhado na Inland Regional Center. Um terceiro elemento permanece detido.