Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

San Bernardino. Encontradas armas e explosivos na casa dos atiradores

  • 333

MIKE NELSON/EPA

Autoridades não têm dúvidas de que tiroteio no Inland Regional Center, na cidade californiana de San Bernardino, foi planeado. Um vasto arsenal de armas, bombas e material explosivo foi descoberto num apartamento e num carro alugado pelo casal de atiradores. Além disso, há registo de contactos entre um dos autores e alegados extremistas

Não se conhecem ainda os motivos do tiroteio que ocorreu na quarta-feira no Inland Regional Center - um centro de apoio a doentes mentais em San Bernardino -, mas há pelo menos um ponto que é dado como certo: o ataque foi planeado. Esta é a convicção da polícia da Califórnia e do FBI. Há também cada vez mais certeza que se tratou de um ataque terrorista.

“O casal de atiradores estava bem munido e dispunha de um vasto arsenal. Poderia levar a cabo outro ataque”, afirmou Jarrod Burguan, chefe da polícia de San Bernardino, citado pela CNN.

"Houve obviamente uma missão. Nós sabemos isso. Só não sabemos porque razão. Não sei se era o alvo [que atinjiram] ou se havia algo acionado para se fazer imediatamente", disse por sua vez à BBC David Bowdich, diretor-assistente do departamento do FBI, em Los Angeles.

De acordo com as autoridades norte-americanas, Syed Rizwan Farook, de 28 anos, e Tashfeen Malik, de 27, deixaram a filha - uma bebé de seis meses - na casa da avó antes do ataque, que causou pelo menos 14 mortos e 21 feridos - incluindo dois agentes policiais. Entretanto, a polícia descobriu várias armas, 12 bombas e material explosivo em buscas no apartamento em que ambos viviam em Redlands, assim como num carro alugado pelo casal.

Syed Rizwan Farook nasceu em Illinois, nos EUA, e trabalhava como inspetor na área da saúde. No seu perfil nas redes sociais descrevia-se como um jovem muçulmano “religioso, mas moderno”.

No entanto, as autoridades Paquistão acreditam que ele a sua mulher, natural do Paquistão, ter-se-ão radicalizado recentemente. Há registo de viagens ao país-natal da esposa e contactos com indivíduos suspeitos de estarem ligados a redes terroristas.

Testemunhas relatam que Syed Farook saiu zangado da festa de Natal que estava a decorrer no local, antes de começar a disparar sobre as pessoas que ali se encontravam.

Farhan Kahn, cunhado de Syed Rizwan Farook, manifestou-se perplexa com o ataque levado a cabo pelos seus familiares. “Não faço ideia porque faria algo assim. Estou em choque. Não tenho palavras para expressar o quão triste e devastada estou”, afirmou Farhan.

Esta quinta-feira, Barack Obama também declarou que não se pode afastar a hipótese de terrorismo no ataque ao centro de apoio a doentes mentais em San Bernardino. O Presidente norte-americano defendeu que é vital controlar o acesso de indivíduos a armas, reconheçendo que será uma “tarefa difícil, mas não impossível”.

O tiroteio no Inland Regional Center é considerado o mais mortífero dos últimos três anos nos EUA, depois de 26 pessoas terem morrido noutro tiroteio numa escola em Newtown, Connecticut, em 2012.