Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Parlamento britânico decide sobre bombardeamentos na Síria

  • 333

O primeiro-ministro britânico já tinha expressado vontade de se juntar à coligação internacional que combate o Daesh

ANDY RAIN

Diversos observadores admitem a aprovação da moção, que não prevê o envio de tropas terrestres para combater o autoproclamado Estado Islâmico

O Parlamento britânico debate e vota esta quarta-feira a moção apresentada na terça-feira pelo Governo conservador do primeiro-ministro britânico David Cameron, que pede autorização para bombardeamentos aéreos na Síria.

O texto, mais extenso do que o habitual, faz referência às principais dúvidas dos deputados, e afirma designadamente que a intervenção militar não vai incluir tropas terrestres e inclui-se "numa missão mais ampla para trazer a paz e a estabilidade" ao país do Médio Oriente.

O Governo conservador, que pretende assegurar um amplo poio parlamentar, faz referência a uma recente resolução da ONU como "base legal" para o ataque, ao solicitar aos Estados que adotem as "medidas necessárias" para prevenir atentados do grupo extremista autoproclamado Estado Islâmico (Daesh).

Cameron deseja associar-se aos bombardeamentos aéreos na Síria liderados pelos Estados Unidos, que já foram rejeitados pelo parlamento de Londres em 2013, mas ainda não parece seguro sobre a obtenção da necessária maioria parlamentar.

Para além do Partido Trabalhista, opõem-se ao ataque o Partido Nacionalista Escocês e diversos deputados conservadores, por considerarem que o envolvimento militar britânico apenas agravará a situação na Síria.

No entanto, e pelo facto de os deputados trabalhistas terem liberdade de voto, numa câmara em que os conservadores garantem maioria absoluta, diversos observadores admitem a aprovação da moção.

No texto apresentado terça-feira, o Governo assegura que vai continuar a fornecer ajuda aos refugiados sírios e reconhece a importância de "planificar a estabilização e reconstrução pós-conflito", e interromper as fontes de financiamento do EI.