Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Montenegro vai ser convidado a juntar-se à NATO

  • 333

O secretário-general da NATO, Jens Stoltenberg, escusou-se a confirmar o convite ao Montenegro

OLIVIER HOSLET/EPA

Depois de ter levado a cabo as reformas requeridas pela NATO no seu Ministério da Defesa e forças armadas, o Estado do Montenegro pode mesmo vir a fazer parte da organização. A Rússia classifica a decisão como “um erro” e até “uma provocação”

O Estado do Montenegro vai ser convidado para fazer parte da Organização do Tratado do Atlântico Norte (NATO) esta quarta-feira, de acordo com fonte diplomática citada pela France Press. A oferta deverá ser formalizada após a reunião de ministros do Negócios Estrangeiros dos 28 Estados-membros que está a decorrer em Bruxelas até quarta-feira, uma vez que a fonte garante que “a proposta foi aprovada ao nível dos embaixadores da aliança”.

O secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg, recusa confirmar a informação, mas antes do início da reunião mostrou-se otimista sobre a possibilidade do Montenegro se juntar aos 28 países que integram a NATO: “Convidar o Montenegro para conversar sobre a sua entrada [na NATO] seria uma decisão histórica. Isso assinalaria o nosso compromisso contínuo para com os países balcânicos ocidentais”, afirmou, tendo deixado a última palavra para os ministros do Negócios Estrangeiros da UE.

Os deputados do Parlamento montenegrino já votaram a favor de uma adesão à aliança. Montenegro reformou as suas forças armadas e Ministério de Defesa, tudo para corresponder às regras impostas pela organização. A partir da data do convite formal, o país poderá demorar um ano a um ano e meio a juntar-se formalmente à NATO.

Passo histórico para uns, provocação para outros

A confirmar-se, este será um passo histórico, aos olhos da NATO, e uma “provocação” para a Rússia. Em setembro deste ano, o ministro dos Negócios Estrangeiros russo, Sergei Lavrov, classificou um hipotético convite como “um erro” e “uma política irresponsável que diminui a determinação de construir um sistema de segurança partilhada na Europa”.

No entanto, questionado sobre as notícias que dão conta de que a NATO vai mesmo endereçar um convite formal a Montenegro, o embaixador norte-americano na organização, Douglas Lute, lembrou, citado pelo jornal britânico “The Guardian”: “Isto não foi desenhado como uma mensagem para a Rússia. Não tem a ver com a Rússia”.

Lute acrescentou que o tratado de fundação da NATO prevê a entrada de novos membros desde que estes preencham os requisitos - terem por base um sistema democrático ou a capacidade de contribuir militarmente para a aliança - e que recebam o voto unânime dos atuais Estados da organização.

A maioria dos Estados que fizeram parte da União Soviética juntou-se à NATO a partir de 1999. A expansão mais recente deu-se em 2009, com a adesão de Croácia e Albânia, dois países balcânicos.