Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

18 mortos em alegado bombardeamento russo na Síria

  • 333

Os bombardeamentos tiveram como alvos um mercado e três edifícios no centro da cidade, afirmou o Observatório Sírio para os Direitos Humanos

AMMAR ABDULLAH/REUTERS

Os ataques aéreos atingiram a cidade de Ariha, na província de Idlib, noroeste da Síria, e tiveram como alvos um mercado "muito movimentado" e três edifícios no centro da cidade, informou o Observatório Sírio para os Direitos Humanos

Helena Bento

Jornalista

Pelo menos 18 pessoas morreram este domingo na Síria na sequência de ataques aéreos levados a cabo pela Rússia, segundo informações do Observatório Sírio para os Direitos Humanos e de ativistas do Comité de Coordenação Local do país.

Os bombardeamentos atingiram a cidade de Ariha, na província de Idlib, noroeste da Síria, e tiveram como alvos um mercado "muito movimentado" e três edifícios no centro da cidade, disse o observatório sírio. Segundo o "Guardian", que cita a Ariha Today, uma página no Facebook responsável pela cobertura noticiosa dos principais acontecimentos da cidade, os ataques aéreos foram conduzidos por aviões russos e resultaram na morte de 40 pessoas e 70 feridos.

Se se confirmar a origem russa dos bombardeamentos, este incidente pode mesmo vir a ser considerado um dos ataques mais mortíferos desde que Moscovo começou a bombardear a Síria, em finais de setembro deste ano, salienta o "Guardian". Recentemente, o Observatório Sírio dos Direitos Humanos (SOHR, na sigla em inglês) informou que os bombardeamentos efetuados pela Rússia no país já provocaram a morte de cerca de 400 civis, incluindo 166 mulheres e crianças.

As relações entre a Turquia e a Rússia continuam muito tensas por causa do abate de um caça russo na terça-feira, dia 24, na fronteira entre a Turquia e a Síria. A hipótese de um conflito armado entre os dois países foi afastada, mas a Rússia já deu a entender que não vai ficar de braços cruzados perante o que considerou ter sido "uma facada nas costas" de "cúmplices de terrorismo".

No mesmo dia em que o caça russo SU-24 foi abatido, as autoridades russas aconselharem os turistas a não gastarem o seu dinheiro nas estâncias balneares da costa mediterrânica da Turquia. E na quinta-feira, o primeiro-ministro russo, Dmitri Medvedev, anunciou que o seu Governo está a preparar uma retaliação económica contra a Turquia que se traduzirá em restrições à importação de alimentos e cancelamento de projetos de investimento comuns.