Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Passos. “Assumirei funções para as quais fui eleito”

  • 333

Passos Coelho em pose para o fotógrafo da Assembleia de República. Sem muitas palavras para os jornalistas, o antigo primeiro-ministro disse estar pronto para exercer o seu papel na oposição

MIGUEL A. LOPES/LUSA

À chegada esta sexta-feira de manhã ao parlamento, o antigo primeiro-ministro diz “encarar com muita naturalidade” o novo cenário, garantindo que irá cumprir as suas funções enquanto deputado e líder do maior partido da oposição

O presidente do PSD e ex-primeiro-ministro Pedro Passos Coelho chegou esta sexta-feira ao parlamento cerca das 11h20, para assumir o seu lugar de deputado, e afirmou que encara a sua mudança de funções "com muita naturalidade".

"Assumirei funções para as quais fui eleito, e exercerei aqui o meu papel também de líder do PSD, desta feita na oposição", declarou Pedro Passos Coelho aos jornalistas. "Eu encaro isto com muita naturalidade", acrescentou.

O presidente do CDS-PP e ex-vice-primeiro-ministro, Paulo Portas, chegou à Assembleia da República cerca de dez minutos antes, também para assumir o seu lugar de deputado, e não quis prestar declarações.

Quando entrou nos corredores da Assembleia da República, Passos Coelho foi rodeado pela comunicação social e fez uma curta declaração, de cerca de dois minutos, antes de se dirigir à sala de acolhimento aos deputados que iniciam funções esta sexta-feira - 19 membros do anterior executivo PSD/CDS-PP e 21 substitutos de novos governantes do PS.

O presidente do PSD remeteu mais declarações para outra ocasião, mas avisou que não passará o tempo a falar aos jornalistas: "Teremos muitas ocasiões para falar. O facto de eu ser deputado não significa que falemos todos os dias e a todas as horas, e creio que todas e todos compreenderão isso". "Haverá evidentemente oportunidades em que poderemos conversar, outras em que não poderá ser assim", reforçou.

Passos Coelho recordou que "já tinha sido presidente do PSD na oposição" entre 2010 e 2011. "Mas não era deputado. Agora, como deputado, não deixarei de assumir esse papel que cabe na liderança da oposição também ao PSD aqui no parlamento. Eu encaro isto com muita naturalidade", concluiu.