Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Paris. Encontrado cinto de explosivos na periferia

  • 333

Polícia francesa montou um perímetro de segurança e isolou a área onde foi encontrado um cinto de explosivos, em Montrouge, perto de Paris, dez dias depois dos ataques mortais na capital francesa

ERIC GAILLARD / Reuters

Objeto foi encontrado nos arredores da capital francesa, em Montrouge, próximo da zona por onde passou Salah Abdeslam, o único suspeito direto dos atentados em Paris ainda vivo

Um cinto de explosivos foi encontrado esta segunda-feira nos subúrbios da capital francesa, em Montrouge. De acordo com as autoridades, o objeto foi encontrado num caixote de lixo, próximo do local onde foi localizado o telemóvel de Salah Abdeslam, na noite dos ataques de sexta-feira 13, em Paris.

Segundo avança a Associated Press, o acessório, encontrado por um responsável de limpeza urbana, continha o mesmo tipo de explosivos utilizados pelos terroristas nos atentados a Paris, que provocaram a morte de 130 pessoas.

O cinto de explosivos foi encontrado dez dias depois dos ataques, próximo da área onde foi identificado o telemóvel de Salah Abdeslam, o homem mais procurado pelas autoridades europeias por suspeitas de ser o único autor direto dos atentados ainda vivo.

O telemóvel do francês, de 26 anos, foi detetado próximo de Montrouge, no município vizinho de Châtillon, na fatídica noite de sexta-feira 13. Contudo, a polícia francesa explica que ainda é cedo para afirmar que Abdeslam esteve em contacto com o objeto.

Apesar disso, as autoridades não colocam de parte a hipótese de que Salah Abdeslam tinha como intenção fazer-se explodir, sendo que o plano foi posteriormente abandonado. “Se calhar teve um problema técnico com o cinto de explosivos”, declarou fonte policial à Reuters.

  • Salah Abdeslam tenta fugir da Bélgica para a Síria

    O homem mais procurado pelas autoridades europeias, Salah Abdeslam, encontra-se escondido na zona de Bruxelas. Dois amigos do jiadista, que segundo a ABC News falaram com ele via Skype, confirmam a informação que já tinha sido avançada pelas autoridades. E acrescentam que se sente “encurralado”, tendo-lhes pedido ajuda para fugir para território sírio