Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Ministro da Economia francês fala em resposta “franco-alemã” aos atentados

  • 333

O ministro da Economia francês, Emmanuel Macron (à direita), referiu este sábado uma resposta franco-alemã no combate ao Daesh

STEPHANE DE SAKUTIN / AFP / GETTY IMAGES

O ministro da Economia francês, Emmanuel Macron, referiu este sábado “uma iniciativa franco-alemã” em resposta aos atentados de Paris, depois de ter estado com o seu homólogo alemão perto dos locais dos ataques de 13 de novembro

"Vamos fazer propostas concretas, continuar a trabalhar para ter uma iniciativa franco-alemã em resposta ao que aconteceu, porque não é só um desafio francês, é um desafio europeu", declarou Macron aos jornalistas.

"As nossas sociedades esperam respostas fortes, respostas de defesa, de segurança (...), mas também respostas profundas nas economias", acrescentou o ministro, ao lado de Sigmar Gabriel, vice-chanceler, ministro da Economia e presidente do Partido Social Democrata (SPD) alemão.

"A Alemanha enfrenta vários desafios na sua economia quanto aos refugiados, nós temos o desafio terrorista, fica claro que não podemos pensar as nossas políticas económicas, as nossas políticas sociais só por nós e para nós", afirmou o ministro francês.

Macron e Gabriel estiveram na Place de la République, onde permanecem flores, velas e mensagens de homenagem às vítimas dos atentados perpetrados há cerca de uma semana em Paris.

O ministro alemão explicou que a visita acontece num registo "de luto e de amizade com a França". "Precisamos de reforçar a nossa cooperação policial e de controlar melhor as fronteiras na Alemanha, é um pedido justificado de França", acrescentou.

O presidente francês, François Hollande, deve receber na quarta-feira a chanceler alemã, Angela Merkel, depois de se deslocar na terça-feira a Washington e antes de ir na quinta-feira a Moscovo para tentar formar uma coligação alargada contra o grupo extremista Estado Islâmico, responsável pelos atentados de Paris, que causaram 130 mortos e mais de 300 feridos.