Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Houellebecq. “Acuso Hollande e defendo os franceses”

  • 333

Michel Houellebecq publicou um artigo no diário italiano “Corriere della Sera” onde lança críticas ao Governo de França, na sequência dos atentados terroristas em Paris

François Berthier/ Contour by Getty Images

Na sequência dos atentados terroristas a Paris, o escritor responsabiliza o Presidente francês pela “situação lamentável” acusando as autoridades francesas de não protegerem a população

O escritor Michel Houellebecq comentou, esta quinta-feira, os atentados terroristas em Paris, lançando fortes críticas ao Presidente François Hollande e a toda a classe política, considerando o seu atual descrétido “geral e legítimo”.

“É altamente improvável que o insignificante oportunista que ocupa o lugar de chefe de Estado [François Hollande], assim como o atrasado congénito que desempenha as funções de primeiro-ministro [Manuel Valls], para não mencionar os 'tenores da oposição', saiam com honra desta situação”, escreveu o escritor francês num artigo publicado pelo diário iataliano “Corriere della Sera”.

O autor do controverso romance “Submissão”, que descreve uma França dominada por um partido islâmico em 2022, acusa as autoridades francesas de não protegerem a população, ao cortarem nos orçamentos das forças policiais para investirem em operações militares “absurdas e dispendiosas” no exterior.

“A situação lamentável em que nos encontramos é devido a responsabilidades políticas específicas”, explica Houellebecq. “Eu acuso Hollande e defendo os franceses”, acrescenta o escritor.

Houellebecq ressalva ainda que “a França vai resistir”, porque “não é possível fazer outra coisa”.

  • Houellebecq: “Querem ver-me morto”

    É um dos mais geniais e controversos escritores franceses. “Submissão”, 
o seu último romance, lançado no dia do atentado ao “Charlie Hebdo”, colocou-o na mira dos extremistas. Desde então vive acossado porque sabe que tem a cabeça a prémio

  • A provocação falhada de Houellebecq

    Publicado quarta-feira, o novo romance de Michel Houellebecq imagina a França em processo de islamização, depois da vitória de um muçulmano nas presidenciais de 2022. Vinda do "enfant terrible" das letras francesas, esta ficção especulativa seria sempre muito polémica, mas aumentou ainda mais o seu impacto devido ao massacre nas instalações do "Charlie Hebdo". O Expresso já leu o livro. Conclusão: tanto no plano literário, como no político, a montanha pariu um rato.