Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Boko Haram. Atentados na Nigéria matam mais de 40 pessoas

  • 333

Duas bombistas suicidas fizeram-se explodir num mercado da cidade de Kano, noroeste da Nigéria

REUTERS

Em apenas 24 horas, dois atentados na Nigéria - um deles com bombistas suicidas entre os 11 e os 18 anos - tiraram a vida a dezenas de pessoas e feriram mais de 120. Os ataques estão a ser atribuídos ao Boko Haram, que esta quarta-feira foi nomeado o grupo extremista mais letal do mundo

O atentado foi planeado de forma a provocar os maiores prejuízos. “A explosão ocorreu numa área onde estava uma multidão, pois ali existe um mercado, uma zona de restauração ao ar livre e uma mesquita”, sublinhou uma fonte da Cruz Vermelha ao “Guardian”.

No atentado de terça-feira à noite em Yala, no nordeste da Nigéria, 31 pessoas morreram e 72 ficaram feridas, segundo avança a Reuters. Não ficou claro se a explosão foi provocada por uma bomba ou por um bombista suicida, mas o número de mortes poderá ser ainda mais elevado - os hospitais contabilizam um maior número de vítimas, 34 mortos e 80 feridos.

A noroeste, na cidade de Kano, um duplo atentado suicida matou na quarta-feira pelo menos 15 pessoas e deixou 53 feridas num mercado, segundo declarou o comissário da polícia do estado de Kano, Muhammad Musa Katsina. Segundo Katsina, as atacantes eram duas mulheres entre os 11 e 18 anos, que esperaram pela maior concentração de pessoas para se fazer explodir.

Boko Haram é o grupo extremista mais letal do mundo

Os ataques não foram reivindicados, mas as autoridades identificaram a assinatura do Boko Haram, o grupo extremista nigeriano que já provocou a morte a mais de 20 mil pessoas e desalojou mais de 2,3 milhões - e que, em março, prometeu lealdade ao autodenominado Estado Islâmico (Daesh).

Esta quarta-feira, o Boko Haram foi classificado no Índice de Terrorismo Global como o grupo extremista mais letal do mundo. As mortes provocadas por estes terroristas aumentaram 317% no ano de 2014, situando-se em 6644.

As explosões de quarta-feira ocorreram depois de o Presidente Muhammadu Buhari ter intensificado a sua campanha contra a corrupção no país, o que tem dificultado a luta contra o grupo terrorista que vai avançando no nordeste da Nigéria, estabelecendo-se junto às fronteiras com o Chade, Níger e Camarões.

O Presidente nigeriano declarou que a derrota do Boko Haram está cada vez mais próxima, e deu ordem às chefias militares para que exterminem o grupo até ao final do ano.