Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

França falha défice. “A segurança tem primazia sobre o Pacto de Estabilidade”

  • 333

PHILIPPE WOJAZER/REUTERS

França avisa Bruxelas que não vai cumprir a meta do défice. Presidente e primeiro-ministro franceses sublinham que o combate ao terrorismo é um problema comum a toda a Europa

O primeiro-ministro francês avisou esta segunda-feira que o país irá exceder a meta do défice de 3%, devido ao aumento dos gastos com a segurança na sequência dos ataques em Paris. “O défice será claramente ultrapassado”, afirmou Manuel Valls em entrevista à France Inter Radio.

Segundo o governante, a segurança do país é mais importante do que o tratado orçamental. “Nós temos que enfrentar isto [o terrorismo] e a Europa deve entendê-lo. É também altura da União Europeia e da Comissão Europeia perceberem que esta luta diz respeito às preocupações de França, mas também de toda a Europa”, declarou.

O ministro das Finanças francês disse, por sua vez, que o aumento da despesa com a segurança nacional deverá ser da ordem de centenas de milhões de euros.

Depois dos atentados em Paris, a França não vai poupar meios de combate na luta contra o terrorismo. François Hollande anunciou esta segunda-feira a criação de 8500 vagas em várias áreas, assim como o fim da redução de efetivos das Firças Armadaso. Haverá ainda um reforço das operações militares na Síria e serão dados mais meios ao exército e à polícia.

“Serão criados nos próximos dois anos 5000 empregos nas polícias”, anunciou o chefe de Estado no Parlamento francês.
O Presidente assume que estas medidas terão impacto no aumento da despesa, mas assegurou que não haverá cortes no orçamento militar até 2019. “O pacto de segurança tem primazia sobre o Pacto de Estabilidade” de controlo das contas públicas, disse, referindo-se aos limites orçamentais impostos pela zona euro.

François Hollande defendeu ainda que a União Europeia deverá ter um controlo “mais eficaz” das fronteiras externas para evitar o regresso aos controlos nas fronteiras nacionais e assim motivar o “desmantelamento da União Europeia”.

Até agora, e antes deste alerta francês, a previsão do défice do país é de 3,3% em 2016, devendo cair para menos de 3% por cento no ano seguinte, em linha com o limite da União Europeia.