Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

França. O berço do jiadismo

  • 333

A França é o país ocidental que mais exporta Jiadistas para a guerra que se trava na Síria

Getty

Dez meses depois dos ataques ao Charlie Hebdo, a Jihad volta a matar em Paris. Não é mero acaso. França é o país ocidental com maior número de jiadistas na Síria

Hugo Franco

Hugo Franco

Jornalista

A raiz do mal está na porta do vizinho do lado. Em França, os serviços secretos nunca vão ter meios para monitorizar as cerca de sete mil pessoas suspeitas de terem ligações mais ou menos próximas com a ideologia extremista que mata em nome do Islão. Deste vasto grupo, pelo menos 1500 são considerados ativistas perigosos e atuam em solo gaulês, estando a ser monitorizados pelas secretas. O problema é interno mas também externo.

Há muitos meses que a França é o país ocidental que mais exporta Jiadistas para a guerra que se trava na Síria. Os números menos alarmistas dão como certa a presença de 1400 franceses na Jihad que se trava no médio oriente. A esmagadora maioria militante do autodenominado Estado Islâmico.

O Reino Unido, por exemplo, onde o fenómeno da radicalização é igualmente grave, exportou cerca de metade do contingente gaulês.

Os atentados de janeiro na sede do jornal satírico Charlie Hebdo, que matou 17 pessoas, tinham sido o último sinal de que o fenómeno do extremismo em França era grave. E não eram simplesmente as políticas sucuritárias que podiam resolver o problema.

A vasta comunidade muçulmana que reside nos subúrbios das principais cidades francesas é o ponto de partida de uma teia complexa. É nestes bairros desfavorecidos que têm sido recrutados os jovens extremistas, essencialmente através das redes sociais. O perfil dos jiadistas não é linear mas muitos deles são pessoas que se sentem desintegradas. Muitos estão no desemprego ou em subempregos. Sentem-se desencantados com as perspetivas de vida. E veem na mensagem dos pregadores radicais da Intenet a solução fácil e rápida para as múltiplas frustrações. O discurso do ódio que lhes é incutido tem sido extremamente eficaz.

França tem sido um berço de jiadistas porque a comunidade muçulmana, o alvo preferencial dos recrutadores, é maior do que noutros países europeus. Mas o problema é semelhante, embora numa escala menor, em países como a Bélgica, Reino Unido, Holanda e até Espanha.

Alguns dos radicais saem de Paris, Marselha ou Toulouse e viajam incógnitos até à Síria. Outros, ficam e fazem a sua Jihad em pequenas células na clandestinidade. E também há os que regressam do Estado Islâmico, já doutrinados e com formação militar. Todos são considerados potenciais terroristas.

De acordo com os dados oficiais, há 150 homens e mulheres presos nas cadeias francesas por atividades terroristas. Nos próximos dias, depois deste ataque que matou mais de 120 pessoas, o número de detidos vai crescer certamente. O medo também.