Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Cidadão francês identificado como possível atacante

  • 333

Pascal Le Segretain/Getty Images

O cidadão francês, conhecido da polícia e dos serviços de informações, foi identificado como um dos presumíveis atacantes da sala de espetáculos Batlacan. Os investigadores franceses encontraram ainda um passaporte sírio e egípcio junto a cadáveres no Estádio de França

Um cidadão francês, conhecido da polícia e dos serviços de informações, foi identificado pelos investigadores como um dos presumíveis atacantes da sala de espetáculos Bataclan, um dos alvos dos atentados de sexta-feira em Paris, segundo vários media franceses. O corpo foi identificado pelas impressões digitais, segundo fontes da investigação citadas pela agência France Presse, a rádio Europe 1 e o jornal Libération.

Segundo a Europe 1, trata-se de um jovem natural de Courcouronnes, a cerca de 35 quilómetros de Paris, conhecido da polícia e dos serviços de informações por ligações ao jiadismo.

A sala de espetáculos Bataclan, onde morreram pelo menos 82 pessoas, foi um dos alvos dos vários atentados perpetrados na sexta-feira à noite em Paris, que fizeram pelo menos 128 mortos, um dos quais português, e 300 feridos, 80 deles em estado grave.

A imprensa francesa noticiou que no Stade de France, outro dos alvos, os investigadores encontraram um passaporte sírio e outro egípcio junto de cadáveres que se presume serem de atacantes.

A “pista síria” é uma das hipóteses de trabalho dos investigadores, segundo fontes policiais, que estão a verificar todos os elementos com serviços de informações de outros países, designadamente europeus.

Uma fonte policial tinha dito esta manhã à agência France Presse que os bombistas suicidas eram aparentemente “experimentados e bem treinados” e testemunhas dos ataques descreveram-nos como “muito jovens e seguros de si”. A possibilidade de terem treinado e eventualmente passado algum tempo em zonas dominadas por jiadistas, nomeadamente na Síria, colocou-se “rapidamente” aos investigadores, segundo fontes policiais citadas pela France Presse.