Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Refugiados. Mais de 800 mil refugiados chegaram via Mediterrâneo

  • 333

Refugiados que chegam a Lesbos dormem ao relento e aquecem-se ao redor de fogueiras

ALKIS KONSTANTINIDIS / Reuters

O fluxo de refugiados e migrantes que cruzam o Mediterrâneo para entrar na Europa não abrandou em novembro, refere o Alto Comissariado das Nações Unidas. A ilha grega de Lesbos regista uma média diária de 3300 chegadas e já rebenta pelas costuras

Mais de 800 mil migrantes e refugiados chegaram em 2015 à Europa através do Mediterrâneo, divulgou esta sexta-feiraq a ONU, alertando para a situação de sobrelotação na ilha grega de Lesbos, onde milhares de pessoas estão a dormir ao relento.

Segundo o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR), 806.000 migrantes e refugiados atravessaram em 2015 o Mediterrâneo para chegar ao território europeu, dos quais a maior parte, 660.700, passou pela Grécia e pelas ilhas gregas do mar Egeu.

Um total de 3460 migrantes morreu ou desapareceu durante a travessia, segundo os mesmos dados.

Só no passado mês de outubro, e apesar das más condições meteorológicas, 210.000 pessoas chegaram ao território grego, a maioria à ilha de Lesbos, a principal porta de entrada dos migrantes na Europa.

Este fluxo não abrandou em novembro, refere o ACNUR, indicando que esta ilha helénica tem registado uma média diária de 3300 chegadas.

"Com o inverno a aproximar-se, as condições de acolhimento e as capacidades de permanecer [em Lesbos] são muito limitadas e insuficientes", declarou o porta-voz do ACNUR, Adrian Edwards, num encontro com a comunicação social em Genebra.

De acordo com o ACNUR, Lesbos dispõe unicamente de 2800 lugares de acolhimento, um número bastante pequeno para responder às necessidades dos cerca de 16 mil migrantes e refugiados que estão atualmente na ilha.

Como consequência, lamenta a agência das Nações Unidas, "muitas pessoas, incluindo mulheres, crianças e recém-nascidos, não têm outra escolha senão dormir ao relento e acender fogueiras para se aquecerem".

Além disso, destaca a organização da ONU, "esta situação está a criar problemas de segurança e é um motivo de tensão com a população local". "É um desafio extremamente difícil para uma única ilha", sublinhou a vice-diretora do ACNUR, Diane Goodman, numa teleconferência a partir de Atenas.

A representante explicou que o ACNUR foi a única agência das Nações Unidas presente em Lesbos, com apenas 30 - que serão em breve 40 - trabalhadores humanitários. Diane Goodman apelou às autoridades locais para arranjarem mais locais para acomodar os migrantes e para melhorarem o sistema de registo.

Cerca de 62% dos migrantes e refugiados que chegam à Grécia são oriundos da Síria, 23% do Afeganistão e 7% do Iraque, segundo a ONU.

  • Coesão do Governo alemão abre brechas

    Wolfgang Schäuble comparou a uma avalanche a chegada de um milhão de refugiados à Alemanha numa crítica direta à decisão política de Merkel de lhes abrir as portas do país. Ministros do SPD defendem a chanceler afirmando que é imperioso pôr em marchas as decisões "tomadas em conjunto"

  • Crise de refugiados: mais dinheiro para África tem um preço

    Os líderes dos 28 querem que África receba de volta os migrantes ilegais. Os líderes africanos pedem mais ajuda financeira e novos canais de migração. Em Malta, debatem formas de trabalhar em conjunto para travar o fluxo de migrantes e refugiados que continuam a arriscar a vida para viver na União Europeia