Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Pelo menos 40 pessoas morreram em tiroteio em Paris

  • 333

YOAN VALAT/ EPA

Um homem de identidade desconhecida disparou uma arma automática num restaurante em Paris, causando a morte de pelo menos 40 pessoas. A polícia francesa avançou que há 100 reféns na sala de espetáculos Bataclan, no 11º bairro de Paris, na avenida Voltaire

Helena Bento

Jornalista

Pelo menos 40 pessoas morreram esta sexta-feira num tiroteio em Paris. Os números foram avançados pela imprensa local, que também dá conta de vários feridos.

O incidente ocorreu num restaurante no 10º bairro, quando um homem de identidade desconhecida disparou uma arma automática. Várias testemunhas afirmaram ter ouvido dezenas de tiros e descreveram a cena como um "pesadelo", de acordo com o jornal francês "Libération".

Ben Grant, umas das testemunhas, disse à BBC que estava com a sua mulher num bar quando os tiros foram disparados e que viu seis ou sete corpos no chão. "Há muitas pessoas mortas. É horrível. Eu estava ao fundo bar. Não consegui ver nada mas ouvi tiros. Fomos para debaixo da mesa para nos protegermos", disse.

Segundo a imprensa local, foram também registadas hoje três explosões nas imediações do Estádio de França, em Paris, onde estava a decorrer um jogo amigável entre a seleção francesa e alemã. Há registo de um ferido. Todas as saídas do estádio foram encerradas e o Presidente francês François Hollande, que estava a assistir ao jogo, que teve de ser transportado para um local seguro.

A polícia francesa avançou que há 100 reféns na sala de espetáculos Bataclan, no 11º primeiro bairro, na avenida Voltaire, onde também foi registado um tiroteio.

O primeiro-ministro do Reino Unido, David Cameron, lamentou já o sucedido na sua conta do Twitter. "Estou chocado com os últimos acontecimentos. Os nossos pensamentos e orações estão com os franceses. Vamos fazer tudo o que pudermos para ajudar".

François Hollande está neste momento reunidos com o primeiro-ministro, Manuel Valls, e o ministro do Interior, Bernard Cazeneuve.