Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Estado Islâmico. EUA anunciam morte quase certa do “jiadista John”

  • 333

Mohammed Emwazi tornou-se conhecido devido ao seu forte sotaque britânico

REUTERS

O jiadista terá morrido na sequência de um ataque lançado contra o veículo em que se deslocava. Este poderá ser um dia simbólico na luta contra o Daesh

O terrorista britânico Mohammed Enwazi, conhecido como “jiadista John” e apontado como presumível carrasco do autoproclamado Estado Islâmico (Daesh), morreu na noite desta quinta-feira na sequência de um ataque aéreo na Síria lançado pelos Estados Unidos. A notícia é avançada pela BBC, que cita informações de fontes militares norte-ameticanas.

Os Estados Unidos lançaram, na noite desta quinta-feira, um ataque aéreo na Síria que teve como alvo um veículo que transportava o “jihadista John”. As autoridades confirmam agora, com um “elevado grau de certeza”, que o ataque do drone norte-americano matou o terrorista.

De acordo com as informações avançadas esta sexta-feira pela emissora britânica, Mohammed Enwazi e outra pessoa que estava com ele morreram na sequência da operação.

Segundo reféns norte-americanos que conseguiram escapar ao Daesh e voltar aos Estados Unidos, Emwazi faria parte de um grupo de terroristas do Daesh que é comparado aos Beatles, uma vez que todos os membros são britânicos. A operação terá visado também outros membros deste grupo, conforme avança o jornal norte-americano “The New York Times”.

As autoridades britânicas ainda não se pronunciaram sobre a notícia, mas os meios de comunicação social esperam que o primeiro-ministro, David Cameron, fale ainda esta sexta-feira aos jornalistas.

“Jihadi John” era prtocurado há um ano

Emwazi era um cidadão britânico que participou nos vídeos das execuções de vários reféns do Estado Islâmico. Entre as vítimas que apareciam nos vídeos ao lado de Emwazi encontravam-se os jornalistas norte-americanos Steven Sotloff e James Foley, o trabalhador humanitário, igualmente norte-americano, Abdul-Rahman Kassig, os trabalhadores humanitários britânicos David Haines e Alan Henning, o jornalista japonês Kenji Goto, entre outros.

Mohammed Emwazi ficou conhecido como “Jihadista John” devido ao seu forte sotaque britânico, que se destacava nos vídeos das execuções em que se apresentava sempre de cara tapada e empunhando uma faca que colocava junto ao pescoço nos reféns.

O “jihadista John” nasceu no Kuwait, numa família de origem iraquiana, mas os seus pais mudaram-se para a Grã Bretanha em 1993. Programador informático de cerca de 30 anos, Emwazi estava referenciado pelos serviços de segurança pelo menos desde 2009, acabando por se mudar para a Síria em 2013.

Os esforços da coligação de países que luta contra as forças do Daesh para capturar Emwazi arrastavam-se há mais de um ano e tiveram origem no vídeo de agosto de 2014 que mostrava a execução de James Fole. A identidade do jiadista acabou por ser confirmada já em fevereiro deste ano.

A captura e morte do terrorista britânico poderá ter um significado simbólico na luta contra o Daesh.

[Texto atualizado às 9h40]