Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Estado Islâmico reivindica duplo atentado que fez 41 mortos e 200 feridos

  • 333

NWAR AMRO/AFP/Getty Images

Os ataques suicidas aconteceram num bastião do grupo xiita libanês Hezbollah, nos subúrbios da zona sul de Beirute

O grupo extremista sunita Estado Islâmico (EI) reivindicou o duplo atentado suicida quinta-feira perpetrado num bastião do grupo xiita libanês Hezbollah, nos subúrbios da zona sul de Beirute.

O duplo atentado na capital libanesa fez pelo menos 41 mortos e perto de 200 feridos, segundo um novo balanço do ataque.

Num comunicado divulgado na Internet, o EI afirmou ter “conseguido detonar uma motocicleta armadilhada contra uma reunião de 'rafida' [termo pejorativo utilizado para designar os xiitas] em Burch al-Barachne (...). Depois dos apóstatas terem corrido para o local do ataque, um dos combatentes [do grupo] fez detonar um cinto de explosivos no meio do grupo”.

Esta dupla explosão foi a primeira nos subúrbios sul de Beirute desde junho de 2014, quando uma viatura armadilhada matou um agente da segurança que estava a tentar deter o bombista.

Mas antes disso, uma série de ataques atingiu bastiões do Hezbollah em todo o país.

Entre julho de 2013 e fevereiro de 2014, houve nove ataques a zonas controladas pelo Hezbollah, a maioria dos quais reivindicados por extremistas sunitas.

Os grupos declararam que os ataques tinham sido uma vingança contra a decisão do Hezbollah de enviar milhares de combatentes para a vizinha Síria para apoiar as forças do Presidente Bashar al-Assad contra a rebelião dominada pelos sunitas.