Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Schäuble acredita que Portugal vai continuar no bom caminho

  • 333

JOHN MACDOUGALL/AFP/Getty Images

Apesar de prudentes nos comentários, o ministro alemão das Finanças e o presidente do Eurogrupo mostram-se pouco preocupados com a situação política. Schäuble acredita que Portugal vai continuar no bom caminho e Dijsselbloem diz-se preparado para trabalhar com qualquer Governo legítimo

“A vida é sempre cheia de incerteza e essa é a beleza da vida”, disse o ministro alemão das finanças à entrada para a reunião do Eurogrupo que decorre em Bruxelas. Wolfang Schäuble respondia a uma pergunta sobre a situação política em Portugal.

“Se eu estivesse sempre com receio do que pode acontecer de inesperado...”, disse ainda o ministro alemão, sem concluir a frase, mas adiantando que o processo de formação de governos faz parte da democracia.

Schäuble evitou falar de cenários resultantes da discussão desta segunda-feira no Parlamento, mas afirmou estar “completamente convencido” de que Portugal vai continuar a ser bem sucedido tal como foi nos últimos anos.

Também o Presidente do Eurogrupo parece estar preparado para qualquer cenário que possa resultar da discussão esta segunda e terça-feira na Assembleia da República. “Há sempre um governo legítimo em todos os países, e é com esse governo que trabalhamos”, adiantou, sem querer, no entanto, especular sobre o futuro político do país.

“Tenho de lidar com o governo atual e eles estão a apresentar as suas propostas no Parlamento hoje. Não seria correto da minha parte especular sobre o que poderia acontecer depois. (...) É política nacional. Temos de esperar pelo resultado”, concluiu, não querendo comentar qualquer inversão futura das reformas e medidas acordadas durante o período do programa de assistência financeira.

Os ministros das finanças da zona euro estão reunidos esta segunda-feira, em Bruxelas, sem a presença de Maria Luís Albuquerque. A ministra portuguesa ficou em Lisboa, sendo substituída à mesa do Eurogrupo pela Secretária de Estado do Tesouro, Isabel Castelo Branco. O grande tema em discussão volta a ser a Grécia e o desembolso de uma tranche de dois mil milhões de euros.