Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Avião russo. Bomba a bordo é hipótese cada vez mais aceite

  • 333

ANATOLY MALTSEV/EPA

Reino Unido e EUA estão de acordo: a explicação “mais provável” para o acidente com o Airbus A321 da Metrojet é a deflagração de um engenho explosivo, colocado pelo Estado Islâmico ou grupo terrorista afiliado

Apesar de as autoridades russas continuarem a insistir que é cedo para tirar conclusões, recusando falar em ato terrorista como a causa para a queda do Airbus A321 no Sinai, a hipótese de ter deflagrado uma bomba a bordo, colocada no avião pelo grupo extremista autodenominado Estado Islâmico (Daesh) ou por um movimento que lhes esteja ligado, vai reunindo o consenso internacional.

Essa é a convicção do Governo britânico, o que levou à suspensão de todos os voos de e para Sharm el-Sheikh, no Egito, e também a dos serviços secretos norte-americanos. “A explosão de uma bomba é um cenário altamente provável”, afirmou uma fonte oficial, não identificada, citada pela CNN.

Ainda que a mesma fonte tenha sublinhado não se estar perante uma conclusão formal, já que os especialistas norte-americanos não tiveram acesso a provas ou dados incluídos no processo da investigação, os serviços secretos recordam a reconhecida falta de segurança do aeroporto de Sharm el-Sheikh e sugerem que a bomba pode ter sido colocada no aparelho com a ajuda de alguém do próprio aeroporto.

Outra fonte, citada também pela “CNN”, refere a existência de mensagens internas trocadas entre membros do Estado Islâmico, e parcialmente detetadas, como indicador da responsabilidade dos extremistas pelo acidente.

Em reação à posição norte-americana, o ministro egípcio da Aviação Civil do Egito, Hossam Kamal, insistiu, esta quinta-feira, que não há dados suficientes para apoiar a tese de atentado, aliás afastada desde o início pelas autoridades do país.

Pouco depois do acidente, o ramo do Daesh no Egito assumiu a responsabilidade pela queda do Airbus A321 da companhia russa MetroJet, no sábado, no Egito, que provocou a morte a 224 pessoas, mas não especificou como o fez.

(Notícia atualizada às 12h40)