Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Irão garante estar a aplicar acordo nuclear

  • 333

Deputados da União Europeia e ministros norte-americanos, alemães, franceses, russos e chineses reúnem-se em Áustria para chegar a um acordo nuclear com o Irão

LEONHARD FOEGER / REUTERS

Depois de um longo processo de negociações, o Governo iraniano chegou a acordo para a redução da sua capacidade nuclear e assegura que já começou o “trabalho preliminar” para honrar o compromisso

O Irão já deu início aos procedimentos necessários para limitar a sua capacidade nuclear, conforme o acordo internacional assinado em julho, afirmou esta segunda-feira o chefe da organização iraniana de energia atómica, Ali Akbar Salehi.

“Começámos o trabalho preliminar”, garantiu Salehi, durante a sua visita a Tóquio, assegurando que as medidas implementadas incluem a redução do número de centrifugadoras ativas, segundo noticia a agência japonesa “Kyodo”.

Em julho, ao fim de 12 meses de impasse, o Irão e o grupo de países 5+1 (Estados Unidos, Reino Unido, Alemanha, França, Rússia e China) chegaram a um acordo sobre o programa nuclear iraniano, que visa diminuir a atividade nuclear do Irão em troca da suspensão gradual de sanções, que reduziram as exportações de petróleo do país.

“Acreditamos que no espaço de dois meses vamos estar aptos para levar o nosso compromisso até ao fim”, declarou Salehi, citado pela agência “Reuters”, sendo este o tempo de que o Irão precisa para aplicar as decisões com que se comprometeu no acordo de controlo nuclear.

O chefe da organização iraniana de energia atómica destacou, também, a importância de um “equilíbrio” na implementação do acordo, advertindo a posição do governo de Teerão face à remoção, por parte das potências internacionais, das sanções impostas ao país, mediante a diminuição da sua capacidade nuclear.

Até à realização do acordo, os países ocidentais recearam, durante anos, que o Irão utilizasse o seu programa nuclear para desenvolver armas nucleares, apesar de o Governo iraniano negar desde sempre essa tese, defendendo que o programa tem fins pacíficos.