Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Fluxo de migrantes não abranda: mais 218 mil só em outubro

  • 333

Os migrantes e refugiados continuam a chegar à Europa, na maioria, através da ilha grega de Lesbos, a partir da Turquia

GIORGOS MOUTAFIS / Reuters

Alto-Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados vai ter de rever em alta o número de chegadas previstas (700 mil) para todo o ano de 2015, uma vez que até agora mais de 744 mil pessoas atravessaram o Mediterrâneo para chegar ao Velho Continente

Mais de 218 mil migrantes e refugiados atravessaram, em outubro, o Mediterrâneo para a Europa, o que representa um recorde mensal e quase o mesmo número de travessias registado em todo o ano passado, anuncia a ONU.

"O mês passado foi um mês recorde para as chegadas", disse esta manhã Adrian Edwards, porta-voz do Alto-Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR), sublinhando que "as chegadas em outubro foram equivalentes a todo o ano de 2014".

No mês passado, 218.394 pessoas realizaram a perigosa travessia para chegarem - à exceção de oito mil - à Grécia. Segundo a ONU, em todo o ano de 2014 chegaram à Europa 219 mil pessoas.

Apesar das más condições meteorológicas, os migrantes e refugiados continuaram a chegar à Europa em outubro. A grande maioria - 210 mil - chegou à Grécia, principalmente à ilha de Lesbos, a partir da Turquia.

No mesmo mês, entraram 8129 migrantes em Itália, contra mais de 15 mil para igual período no ano passado. Os peritos atribuem esta quebra a uma alteração da rota dos refugiados sírios, que deixaram de passar pela Itália e alcançaram a Europa através da Turquia e da Grécia.

O ACNUR previa que este ano 700 mil migrantes procurassem refúgio na Europa, através do Mediterrâneo. O organismo vai ter de rever em alta o número de chegadas em 2015, uma vez que até agora mais de 744 mil migrantes e refugiados já chegaram ao Velho Continente.

Este ano, cerca de 3440 pessoas morreram ou foram dadas como desaparecidas na tentativa de atravessar o Mediterrâneo para chegar à Europa. A maioria das mortes ocorreu no trajeto para Itália, de acordo com a Organização Internacional para as Migrações (OIM).