Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Airbus. Mais de mil mortos em 16 anos

  • 333

Destroços do Airbus 320-200 da companhia aérea AirAsia que caiu no mar de Java com 162 pessoas a bordo, em dezembro de 2014

EPA

No dia 24 de março o piloto alemão Andreas Lubitz despenhou intencionalmente um Airbus A 320 da Germanwings que fazia a ligação Düsseldorf-Barcelona. Este sábado, um Airbus russo caiu 23 minutos depois de ter levantado de Sharm El Sheikh no Egito. A bordo estavam 224 ou 219 pessoas de acordo com os números avançados. 17 eram crianças. O Expresso volta a publicar um balanço com os acidentes dos A 320

Desde que realizou o primeiro voo comercial a 18 de abril de 1988 ao serviço da Air France, há a registar 12 acidentes com o Airbus A320. Em 11 destes casos, e segundo o site AirSafe.com, houve vítimas mortais.

O primeiro aconteceu a 26 de junho de 1988 durante um festival aéreo no Aeroporto de Mulhouse-Habsheim, em França. Um aparelho, precisamente da Air France, caiu numa floresta quando realizada um voo rasante com o trem de aterragem aberto, não tendo sido capaz de voltar a ganhar altitude. Três dos 136 passageiros que seguiam a bordo perderam a vida.

O dia 14 de fevereiro de 1990 ficou tragicamente marcado por mais um grave acidente com um A320. Quatro dos sete membros da tripulação e 88 dos 139 passageiros morreram quando um aparelho ao serviço da Indian Airlines falhou a aproximação à pista do Aeroporto de Bangalore.

Dois anos depois, a 20 de janeiro de 1992, a tragédia repetiu-se, desta feita em Estrasburgo, França. A tripulação terá inserido incorretamente os parâmetros do voo no computador de bordo e o aparelho não chegou ao destino. Morrem os seis tripulantes e 82 dos 87 passageiros.

A 14 de setembro de 1993, uma aterragem atribulada de um A320 da companhia alemã Lufthansa no Aeroporto de Varsóvia, na Polónia, terminou com dois mortos: um membro da tripulação e um passageiro. O forte vento que se fazia sentir de cauda dificultou a travagem e o avião acabou por sair da pista. Seguiam a bordo 64 passageiros e seis tripulantes.

Numa quarta-feira, a 23 de abril de 2000, um A320 cai pela primeira vez no mar. Aconteceu durante uma tentativa de aterragem no Aeroporto Internacional do Bahrein, na capital Manama. O aparelho da Gulf Air, proveniente do Cairo, Egito, tentou por três vezes chegar ao destino mas acabaria por cair nas água do Golfo Pérsico a apenas cinco quilómetros da pista. Saldo trágico: 143 mortos (oito tripulantes e 135 passageiros).

Terá sido o intenso nevoeiro que se se fazia sentir a 3 de maio de 2006 em Sochi, Rússia, que acabou por levar à queda no Mar Negro de um A320 da Armavia Airlines. O avião viajava desde a Yerevan, na Arménia. Ao chegar ao destino, os pilotos abortaram a primeira aterragem e quando manobravam para uma segunda tentativa, numa outra pista, o aparelho caiu no mar a seis quilómetros do aeroporto. Morreram os seis tripulantes e os 105 passageiros.

A 17 de julho de 2007 aconteceu o mais trágico de todos os acidentes com um A320-200. O aparelho cumpria o voo 3054, de Porto Alegre, no sul do Brasil, para o Aeroporto de Congonhas, em São Paulo. Uma avaria nos motores resultou numa aterragem em velocidade excessiva e o avião acabou por embater contra um edifício, provocando um incêndio de grandes proporções. Foram contabilizados 187 mortos (seis tripulantes e 181 passageiros).

Um ano depois, a 30 de maio, em Tegucigalpa, nas Honduras, um A320-200 voltou a despistar-se durante a aterragem, acabando por abalroar diversos veículos. Perderam a vida três pessoas: um dos seis membros da tripulação e dois dos 118 passageiros.

Em novembro de 2008 novo acidente em França. Desta feita, um A320-200 cumpria um voo de teste tendo em vista a sua devolução ao dono do aparelho, a Air New Zeland, que o tinha cedido à alemã XL Airways. A bordo seguiam sete pessoas, incluindo um inspetor do instituto da aviação civil da Nova Zelândia. Na aproximação ao aeroporto de Perpignan, no sul de França, o avião terá perdido altitude, abruptamente, acabando por cair no Mediterrâneo. Ninguém sobreviveu.

Depois de tanta tragédia, um dos mais "felizes" acidentes de sempre também envolveu um A320-200. Aconteceu a 15 de janeiro de 2009, em Nova Iorque, EUA. Um aparelho da US Airways tinha acabado de descolar do Aeroporto de La Guardia quando registou uma acentuada perda de potência nos motores depois de ter sido atingido por um bando. O piloto, Chesley 'Sully' Sullenberger, que acabaria por ganhar o estatuto de herói nacional, conseguiu pousar o aparelho no rio Hudson. Na operação de resgate que se seguiu foram salvos os cinco membros da tripulação e os 150 passageiros. Apenas um destes ficou gravemente ferido.

Não tiveram a mesma sorte as 152 pessoas (seis tripulantes e 146 passageiros) que seguiam a bordo do A321-231 que cumpria a 28 de julho de 2010 o voo 202, entre Karachi e Islamabad, no Paquistão. O aparelho caiu numa manhã chuvosa durante a aproximação ao aeroporto da capital paquistanesa.

A 28 de dezembro do ano passado registou-se mais um mediático acidente, envolvendo, desta feita, um A320-216. O aparelho da AirAsia voava de Surabaya, na Indonésia, para Singapura, quando desapareceu dos radares. Momentos antes, a tripulação tinha pedido uma alteração de rota para evitar uma tempestade. Morreram os 155 passageiros e os sete tripulantes.

Texto publicado a 24 de março de 2015