Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Negociações para a paz na Síria decorrem sem representantes de Assad ou dos rebeldes

  • 333

Enquanto decorrem as negociações, 40 pessoas morreram esta sexta-feira atingidas por ‘rockets’ das forças governamentais no mercado de Douma

BASSAM KHABIEH/REUTERS

Representantes dos Estados Unidos, Rússia, União Europeia e Irão estão reunidos em Viena de Áustria, naquelas que são as maiores conversações para a paz na Síria desde o início do conflito

Conversações para a paz na Síria estão a decorrer, esta sexta-feira, em Viena, Áustria, contando com a presença de mais de uma dezena de países, entre os quais os Estados Unidos, Rússia, Arábia Saudita, Egito Qatar, Líbano, França, Grã-Bretanha e Irão, este último pela primeira vez integrado num processo diplomático após os acordos estabelecidos para a supervisão do seu programa nuclear.

Apesar de serem as conversações mais significativas a terem lugar após o início do conflito há cinco anos, apenas contam com a participação de representantes de outros países, estando ausentes tanto o regime sírio de Bashar al-Assad como as forças rebeldes que contra ele lutam.

O secretário de Estado norte-americano John Kerry mostrou-se realista quanto ao potencial das conversações de Viena, referindo que encontrar uma solução para o conflito “não será automático”. Espera contudo que o diálogo possa evitar a destruição da Síria.

Na quinta-feira já tiveram lugar diversas reuniões. O secretário de Estado norte-americano encontrou-se com o seu homólogo iraniano, Javad Zarif.

Tal como a Rússia, o Irão é aliado do Presidente sírio al-Assad, ao qual tem fornecido apoio financeiro e militar.

Zarif esteve também reunido com o ministro dos Negócios Estrangeiros da Rússia, Serguei Lavrov. Kerry e Lavrov estiveram ainda juntos num encontro onde também participaram os seus homólogos saudita, Adel al-Jubeir, e turco, Feridun Sinirlioglu. As conversações de Viena contam ainda com a participação de representantes da União Europeia.

‘Rockets‘ das forças governamentais fazem mais 40 mortos entre os rebeldes

Entretanto, mais 40 pessoas morreram esta sexta-feira num mercado em Duma, zona dos subúrbios de Damasco dominada pelos rebeldes, devido a 'rockets' disparados por forças do regime sírio, anunciou o Observatório Sírio dos Direitos Humanos. Um vídeo colocado na internet mostra corpos junto às ruínas do mercado de Duma.

No total, a guerra na Síria já causou 250 mil mortos e obrigou ao deslocamento de 11 milhões de pessoas, metade da população do país.