Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Nigéria. Exército liberta mais de 300 mulheres e crianças

  • 333

Tropas nigerianas resgataram 338 pessoas detidas pelo grupo radical islâmico Boko Haram no seu refúgio na região da floresta de Sambisa no nordeste da Nigéria

REUTERS/Adama Diarra

Tropas resgataram 338 reféns detidos pelo grupo extremista islâmico Boko Haram

As tropas nigerianas resgataram 338 pessoas, 138 mulheres e 192 crianças, que estavam detidas pelo grupo radical islâmico Boko Haram. A operação militar decorreu na terça-feira, de acordo com informação do exército em comunicado.

“A unidade resgatou 338 pessoas que eram reféns dos terroristas” na região da floresta de Sambisa no nordeste da Nigéria, diz o comunicado, citado pelo “This Day Live”.

O ataque do exército teve como alvo “presumíveis campos terroristas do Boko Haram nas localidades de Bulajilin e Manawashe” na orla da floresta de Sambisa.

Segundo noticia o “Le Monde Afrique”, o comunicado adianta que as tropas mataram 30 alegados jihadistas, tendo apreendido armas e munições que se encontravam num esconderijo.

Contudo, o comunicado não especifica se entre o grupo sequestrado e, agora libertado, estão incluídas algumas das alunas raptadas no nordeste da Nigéria, em Abril de 2014, quando o grupo extremista Boko Haram protagonizou um rapto em massa, tendo capturado mais de 200 alunas na cidade de Chibok. A ação acabou por despertar a indignação da comunidade internacional para com a organização terrorista.

Desde esse incidente, o presidente nigeriano, Muhammadu Buhari, procurou intensificar a força de combate ao Boko Haram, estabelecendo o combate ao terrorismo como máxima prioridade.

A Nigéria e os países vizinhos, também alvo de ataques do Boko Haram, estabeleceram entre si uma força multinacional de intervenção conjunta, a MNJTF, para lutar contra o grupo islâmico.

O exército da Nigéria tem reinvindicado nos últimos meses várias vitórias contra o Boko Haram, cuja revolta desde 2009 já provocou a morte de cerca de 17 mil pessoas e obrigou mais de 2,5 milhões a abandonar as suas casas.