Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Grécia. Maior naufrágio desde que a crise dos refugiados começou já causou oito mortes

  • 333

A tragédia vem juntar-se a cinco outros incidentes semelhantes, ocorridos nesta quarta-feira nas ilhas gregas de Samos e Agathonisi. Desde janeiro, já entraram 500 mil migrantes em terras helénicas

A crise dos migrantes faz crescer o número de vítimas. Desta vez, foram quatro as crianças e três os adultos que morreram afogados depois de o barco onde viajavam ter naufragado a norte da ilha grega de Lesbos, esta quarta-feira. Segundo as informações confirmadas pela guarda costeira, há ainda 38 migrantes desaparecidos na sequência do naufrágio.

As autoridades marítimas acabaram por conseguir resgatar 242 das pessoas que tentavam chegar à Grécia esta quarta-feira, durante as primeiras operações de salvamento. As buscas no âmbito daquele que já é considerado o maior naufrágio desde que a crise dos refugiados se agravou, no verão passado, continuam a decorrer nesta quinta-feira, com quatro navios da guarda costeira e três helicópteros destacados para o efeito.

A ilha de Lesbos situa-se a menos de dez quilómetros da costa da Turquia, sendo um dos percursos preferidos pelos migrantes que tentam chegar à Europa.

18 crianças hospitalizadas

Às sete vítimas mortais provocadas por este naufrágio, somam-se outras oito mortes ocorridas também na quarta-feira, na sequência de incidentes semelhantes nas ilhas de Samos e Agathonisi. Dentro do lote de vítimas contam-se, de momento, 18 crianças que se encontram hospitalizadas.

Na última cimeira europeia, que aconteceu este domingo, oito líderes de Estados-membros e de três países dos Balcãs concordaram em providenciar um total de 100 mil habitações - metade das quais na Grécia - com o objetivo de acolher refugiados. A resolução faz parte de um plano de 17 pontos que visa evitar uma “tragédia humanitária”.

Desde o início do ano, já entraram mais de 500 mil migrantes no território grego - destes, 300 mil chegaram através da ilha de Lesbos. A ONU estima que, em 2016, 450 mil pessoas chegarão ao Velho Continente atravessando o mar Mediterrâneo.