Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Blogger saudita vence Prémio Sakharov

  • 333

Raif Badawi vai receber as próximas 50 chicotadas junto à mesquita de Jidá

TOBIAS SCHWARZ/AFP/GETTY

Em 2014, Raif Badawi foi condenado a 10 anos de prisão e mil chicotadas, acusado de ter insultado o Islão. Blogger defendia o diálogo político e os Direitos Humanos na Arábia Saudita

O blogger saudita Raif Badawi venceu o Prémio Sakharov 2015, em nome da liberdade de expressão. A decisão foi tomada em conferência de líderes do Parlamento Europeu e anunciada esta quinta-feira em Estrasburgo.

“Creio que é um excelente exemplo. Badawi é um homem muito corajoso, que foi alvo de uma das maiores torturas”, declarou o presidente do Parlamento Europeu, Martin Schulz, apelando ao rei da Arábia Saudita para libertar o blogger.

Detido em 2012, Raid Badawi foi condenado dois anos mais tarde a 10 anos de prisão e mil chicotadas, acusado de ter insultado o Islão nas suas publicações online na Rede Liberal Saudita.

Depois de receber 50 chicotatas, a parte seguinte da flagelação foi suspensa em janeiro deste ano, na sequência da forte pressão internacional. No entanto, só um perdão do rei da Arábia Saúdita o poderá livrar efetivamente da sentença.

“Estou muito feliz por este prémio, que transmite uma mensagem de coragem e de esperança”, afirmou por sua vez à AFP Ensaf Haidar, mulher do blogger , sublinhando esperar que a distinção contribua para mostrar que o marido é inocente.

O prémio, no valor de 50 mil euros, será entregue em Estrasburgo no próximo dia 16 de dezembro. No ano passado, o vencedor foi Denis Mukwege, o ginecologista congolês que criou um hospital para tratar mulheres vítimas de abusos sexuais.

O galardão europeu, que nasceu há 27 anos, premeia pessoas e organizações que se distinguem ao nível da defesa da liberdade de pensamento e expressão e Direitos Humanos.

Entre os finalistas ao prémio deste ano encontrava-se também a coligação da oposição venezuelana Mesa de Unidade Democrática (MUD) e o russo Noris Nemtsov, antigo vice primeiro-ministro de Boris Ieltsin e opositor de Vladimir Putin, que foi assassinado em fevereiro do ano passado perto do Kremlin.