Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Palestiniano morto pela polícia depois de esfaquear jovem israelita

  • 333

As restrições impostas por Israel ao acesso à Mesquita de al-Aqsa têm gerado uma onda de confrontos entre israelitas e palestinianos

MOHAMAD TOROKMAN

As autoridades israelitas suspeitam que o atacante fosse um soldado palestiniano. A vítima, de 19 anos, ficou “gravemente ferida” após ter sido esfaqueada no pescoço

Um palestiniano esfaqueou um israelita esta segunda-feira na cidade de Hebron, situada na região da Cisjordânia, controlada por Israel. O atacante, que seria um soldado palestiniano, acabou por ser morto a tiro no local, de acordo com as autoridades israelitas. O jovem israelita de 19 anos sofreu golpes de arma branca no pescoço, acabando por ficar “gravemente ferido”, conforme as informações reveladas pela porta-voz da polícia, Luba Samri.

Este domingo também foi marcado por ataques violentos na Cisjordânia. Uma palestiniana foi morta a tiro pela polícia israelita, depois de alegadamente ter abordado as autoridades empunhando uma faca. Na manhã do mesmo dia dois palestinianos terão atacado um israelita, acabando por fugir depois de este se ter defendido com uma arma de fogo.

Nas últimas semanas, já morreram 10 israelitas na sequência de ataques palestinianos - sobretudo esfaqueamentos - tanto contra civis como contra forças de segurança. Do outro lado da barricada, 51 palestinianos já foram vítimas de ataques das forças israelitas.

Tréguas parecem estar longe

As notícias chegam depois de, este sábado, o secretário de Estado norte-americano, John Kerry, ter declarado que Israel e Jordânia terão chegado a acordo para reduzir as tensões no que toca à Mesquita de al-Aqsa (para os judeus, Monte do Templo), em Jerusalém. Depois de se ter encontrado com o rei da Jordânia, Abdullah II, e com o presidente palestiniano, Mahmud Abbas, Kerry declarou que “toda a violência e os incentivos à violência devem parar”, atribuindo as causas dos recentes ataques a “uma revolta palestiniana” contra as alegadas intenções israelitas (desmentidas pelo Governo do Estado hebraico) de restringir o acesso à Esplanada das Mesquitas, que alberga a Mesquita de al-Aqsa.

A polícia israelita levantou na passada sexta-feira, pela primeira vez em semanas, as restrições de idade para as principais orações no local sagrado. As novas regras, que proibiam a entrada no complexo aos homens muçulmanos menores de 50 anos, foram impostas por ocasião do feriado que assinala a morte de Raquel, uma das figuras mais importantes para os seguidores da fé judaica.