Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Homem atirou carro contra quartel na Bélgica

  • 333

LAURENT DUBRULE/EPA

O individuo foi detido três horas depois de ter dirigido o seu carro contra os portões de um quartel militar no sul da Bélgica, esta segunda-feira de manhã

A polícia belga deteve um individuo suspeito de ser o condutor que tentou atirar o seu carro contra os portões de um quartel militar de Flawinne, próximo da cidade francófona de Namur, a sul de Bruxelas, esta segunda-feira de manhã.

O individuo fugira após terem sido disparados tiros, referiu a procuradoria de Namur, indicando não haver informações sobre as motivações do ataque que, segundo os primeiro dados, não terá provocado feridos.

“Visto da perspetiva exterior, é incompreensível. Porque iria alguém atacar um quartel militar? Onde há imensas armas para uma retaliação”, comentou um porta-voz da procuradoria.

A detenção ocorreu três horas depois, em sequência de uma operação de caça ao homem que contou com a participação de helicópteros.

O batalhão de comandos situado em Flawinne tem cerca de 650 militares. A unidade de infantaria integra a brigada ligeira e tem por missão assegurar a defesa do território nacional.

O tenente-general Claude Van De Voorde disse não ter dados que confirmem a existência de explosivos no carro, que chegou a ser referida nos media. “As pessoas começam rapidamente a inventar coisas”, afirmou.

A Bélgica encontra-se em alto alerta contra ataques de extremistas desde que um atirador solitário matou quatro pessoas num ataque efetuado num museu judaico em Bruxelas, em março do ano passado.

Em janeiro, a polícia matou dois homens e deteve um terceiro numa operação de contraterrorismo levada a cabo na cidade de Verviers, contra um grupo suspeito de estar a planear um grande ataque.

Estima-se que cerca de 500 pessoas tenham sido recrutadas na Bélgica para combaterem no Iraque e na Síria, segundo dados das Nações Unidas. Proporcionalmente ao seu número de habitantes, o país será um dos que possui um maior número de aderentes ao autodenominado Estado Islâmico (Daesh).