Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

“Jornal de Angola” acusa Portugal de “cruzada antiangolana”

  • 333

d.r.

O órgão de comunicação oficial do regime diz que “a ingerência desabrida que Portugal faz nos assuntos da soberania de Angola está a ultrapassar todos os limites”. A visita do embaixador português, a semana passada, a Luaty Beirão é vista como “um precedente grave”

O "Jornal de Angola", órgão de comunicação oficial do regime, faz esta domingo acusações a Portugal por causa do caso de Luaty Beirão. Num texto assinado pelo diretor do jornal, a posição portuguesa, em especial a visita do embaixador português ao cidadão luso-angolano, a semana passada, é vista como ingerência e uma "cruzada antiangolana". Em declarações ao mesmo jornal, o embaixador de Angola em Lisboa, José Marcos Barrica, condena a “insistente diabolização de Angola” por parte de alguns “sectores maléficos” da sociedade portuguesa.

"A visita que o embaixador português realizou na semana passada a um cidadão que aguarda julgamento abre um precedente grave. Sobre esse cidadão recaem acusações gravíssimas da PGR de envolvimento em actos de perturbação de ordem pública em Angola, no quadro de uma acção mais vasta de transformar o país numa nova Líbia em África. O diplomata português acaba de legitimar toda a ingerência personificada nas manifestações em Portugal. O Governo português, depois de tanto tempo, volta a cair na asneira de se pôr do lado errado", lê-se no texto assinado por José Ribeiro. Já diplomata angolano diz que se assite “a uma campanha para denegrir a imagem de Angola e abafar as suas conquistas alcançadas ao longo dos 40 anos de independência, por causa de um indivíduo que em Portugal é mais falado que o Papa”.

O texto diz ainda que os ataques portugueses são "agora revestidos da fina película da luta pelos direitos humanos". E que antes surgiram como processos judiciais contra os dirigentes angolanos, "estratégia que fracassou redondamente". Uma atitude que o jornal justifica com a crise que Portugal atravessa, pelo que "a única saída que resta é procurar culpados e para isso, como há mais de 60 anos, só resta uma porta: Angola, o país com mais ligações “tradicionais” e “afetivas” com Portugal".

Uma operação de "guerra feroz", "sistemática" que se serve de Luaty Beirão, "que nunca foi músico nem activista político" e tem no grupo Impresa, que detém o Expresso a sua central mediática. "A primeira linha dessa operação em Portugal pertence a Francisco Pinto Balsemão, militante com o cartão n.º 1 do Partido Social Democrata (PSD) e articula-se entre os canais SIC, o semanário “Expresso” e toda a rede de publicações do Grupo Impresa. Estamos apenas perante um episódio produzido pelos profissionais que garantiram a melhor cobertura à guerra do criminoso Jonas Savimbi e do regime de apartheid e hoje se apresentam travestidos de democratas e defensores dos direitos humanos."

As acusações estendem-se a militantes e ex-militantes de Bloco de Esquerda, Luís Fazenda, Francisco Louçã, Daniel Oliveira, Catarina Martins, Mariana Mortágua, que "hoje aparecem ao lado de gente que foi aliada de Jonas Savimbi, como Agualusa e Rafael Marques, que naquela altura ombreavam nas manifestações à frente da Embaixada de Angola com os rebeldes Morgado, Wambembe, Oliveira, Adalberto, Catchiungo e outros".

Para o jornal, há uma "raiva cravada" na sociedade portuguesa que está sempre pronta a manifestar-se. "O nível que atinge a ingerência portuguesa nos assuntos estritamente angolanos só encontra paralelo em duas ocasiões: quando Angola proclamou a sua independência em 1975 e quando se aproximava a derrota da UNITA de Jonas Savimbi, antes de 4 abril de 2002."

O texto termina dizendo que Angola ninguém está acima da lei. "Durante o regime colonial, o Estado português mandou cortar a cabeça a muitos angolanos suspeitos de “subversão” e “terrorismo” quando lutavam pela liberdade e a dignidade do seu povo. Hoje Angola é um Estado de Direito. Quando se comemoram os 40 anos da independência de Angola, de Portugal continuamos a não poder esperar nada de bom."