Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Bingobingo suspende greve de fome depois da marcação de julgamento

Albano Bingobingo foi transferido no dia 14 de outubro da penitenciária de São Paulo de Luanda para a prisão da Comarca Central

PAULO CUNHA / LUSA

Os ativistas angolanos Albano Bingobingo e Benedito Jeremias foram espancados com bastões elétricos. A denúncia foi feita pelo eurodeputado Francisco Assis que já pediu à Comissão Europeia que pressione Luanda a prestar cuidados médicos urgentes aos 15 jovens detidos

O ativista angolano Albano Bingobingo, mais conhecido por Albano Liberdade, já suspendeu a greve de fome iniciada a 9 de outubro. O julgamento de Bingobingo foi marcado depois do ativista ter feito 13 dias em greve de fome.

Albano Liberdade integra o grupo de 15 jovens que foram detidos em Luanda, sob a acusação de alegadamente estarem a planear um golpe de Estado.

Em declarações citadas pela SIC Notícias, Albano Bingobingo, confirmou ter terminado a sua greve de fome na última terça-feira, 20 de outubro, depois de ter tomado conhecimento da marcação do seu julgamento, para o período de 16 a 20 de novembro.

Bingobingo estava em greve de fome para protestar contra o prolongamento do prazo da prisão preventiva. A família denunciou o facto de não ter recebido cuidados médicos necessários.

Assis quer que Bruxelas pressione regime de Eduardo dos Santos

O eurodeputado socialista Francisco Assis questionou a Comissão Europeia sobre as diligências que iriam ser feitas para garantir cuidados médicos urgentes a Bingobingo. Em comunicado divulgado esta quarta-feira pela agência Lusa, Assis denuncia o facto de Albano Liberdade não se conseguir manter de pé e não ter recebido “qualquer assistência médica”.

O ativista foi transferido na última quarta-feira, 14 de outubro do hospital-penitenciária de São Paulo de Luanda para a prisão da Comarca Central da capital angolana, onde ocupa a caserna n.º 10-A.

Esta cela costuma estar “reservada a presos por crimes de violação e é descrita por jornalistas como uma pocilga humana” refere o comunicado de Assis.

Assis alerta ainda para os riscos que correm 14 dos 15 jovens detidos em Luanda: O “quase monopólio do caso de Luaty Beirão nos meios de comunicação social pode manter na sombra outros casos de greve de fome, em particular o de Albano Bingobingo, dadas as condições inumanas em que se encontra detido e a ausência de cuidados de saúde”.

O comunicado denuncia o espancamento com bastões elétricos de que foram alvo Bingobingo e Benedito Jeremias, no passado dia 9.

Os 15 suspeitos foram detidos a 20 de junho; têm idades entre os 19 e os 33 anos e são professores, engenheiros, estudantes e um militar, entre outras ocupações. O regime de Eduardo dos Santos desencadeou uma operação policial que deteve 13 jovens ativistas quando participavam na sexta reunião semanal de um curso formação de ativistas.

O regime de Luanda alega que estas reuniões tinham em mente a destituição do Presidente Eduardo dos Santos. Há ainda outros dois jovens em prisão preventiva que foram detidos alguns dias mais tarde.