Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Condutor da Uber na Índia condenado por rapto e violação

  • 333

GETTY

Caso ocorreu na capital indiana. Vítima é uma mulher de 26 anos que solicitou um carro da Uber para transportá-la até casa

Shiv Kumar Yadav, um antigo condutor da Uber, foi esta terça-feira considerado culpado de sequestro, violação e de ter colocado em risco a vida de uma mulher, numa decisão proferida por um tribunal de Nova Deli. Poderá agora vir a cumprir prisão perpétua - a sentença será conhecida na sexta-feira.

O caso ocorreu na capital indiana em dezembro a uma mulher de 26 anos que solicitara à Uber um carro que a transportasse até casa, mas o condutor acabou por levá-la para outro local e violá-la.

Na altura, o sucedido teve grande impacto, originando acesos protestos, em sequência dos quais as autoridades suspenderam temporariamente o funcionamento da Uber em Nova Deli.

Seis semanas depois, a Uber candidatou-se a obter a licença de transporte que é concedida aos táxis tradicionais.

“A violação é uma crime terrível e nós ficamos satisfeitos por saber que ele foi levado à justiça”, afirmou agora Amit Jain, presidente da Uber na Índia, frisando que em sequência deste caso procederam a melhoramentos nas condições de segurança, que passam pela inclusão de um botão de alarme nas viaturas e um controle mais apertado dos antecedentes dos condutores.

“A segurança é uma prioridade para a Uber e nós levámos a cabo diversos melhoramentos – em termos de novas tecnologias, investigação mais profunda dos antecedentes e melhor apoio aos clientes 24 horas por dia – como resultado das lições que tirámos deste caso terrível”, afirmou.

Na altura da detenção do condutor, a polícia indicou que a sua morada e antecedentes não tinham sido confirmados para os registos do condutor, o que levantou a questão de como era possível a empresa estar a recorrer aos seus serviços dessa forma.

Yadava já tinha sido anteriormente acusado de violação, posse ilegal de armas e comportamento desordeiro e preso por molestação em 2003.

A mulher que sequestrou e violou em dezembro apresentou também queixa contra a Uber num tribunal norte-americano por considerar que a empresa foi negligente na verificação do historial do condutor, mas o caso terá acabado por ser resolvido fora do tribunal.

Durante o verão, a Uber anunciou um investimento de 880 milhões de euros para os melhoramentos do seu funcionamento na Índia.

  • A tragédia das meninas violadas

    As violações na capital da Índia, este fim de semana, de duas crianças com dois e cinco anos de idade fazem renascer uma tragédia sem fim à vista. E estão longe de ser casos isolados no país