Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Estados Unidos vão indemnizar vítimas do ataque a hospital afegão

  • 333

Sobrevivente do ataque ao hospital de Kunduz, no Afeganistão

MOHAMMAD ISMAIL/REUTERS

O Ministério da Defesa norte-americano disse que irá proceder aos pagamentos adequados e disponibilizar dinheiro para “reconstruir o hospital”

Os Estados Unidos vão indemnizar as vítimas do bombardeamento norte-americano do hospital dos Médicos sem Fronteiras (MSF) no Afeganistão, a 3 de outubro, que matou pelo menos 22 pessoas, anunciou este sábado o Pentágono.

O exército norte-americano “vai trabalhar com aqueles que foram atingidos” pelo ataque aéreo em Kunduz “para determinar os pagamentos apropriados” e também poderá disponibilizar dinheiro para “reconstruir o hospital”, precisou em comunicado Peter Cook, porta-voz do Ministério da Defesa norte-americano.

“O Departamento da Defesa considera importante assumir as consequências deste trágico incidente”, prossegue o texto.

Os MSF já pediram uma investigação internacional independente e dizem que 33 pessoas ainda estão desaparecidas após o ataque de 3 de outubro, além dos 12 membros da organização e dez doentes que foram mortos no local.

O ataque forçou o encerramento do centro hospitalar, que detinha uma importância acrescida nesta região do país assolada pelo conflito e com escassos recursos médicos.

O incidente ocorreu poucos dias após a conquista de Kunduz pelos rebeldes talibãs, numa altura em que muitos residentes ficaram feridos na sequência da contraofensiva do exército afegão, apoiada por aviões de combate dos EUA.

O Presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, já apresentou desculpas aos MSF e admitiu que o ataque foi um erro.

  • Crime de guerra? Da negação à contrição

    O trágico caso do bombardeamento de um hospital em Kunduz, no Afeganistão, tem dado lugar a uma trapalhada de reações made in América. Os Médicos Sem Fronteiras falam em “crime de guerra” e querem uma investigação internacional independente sobre o ataque aéreo que no sábado vitimou 12 dos seus funcionários e 10 pacientes, três dos quais crianças. Esta quarta-feira, Obama voltou a falar sobre o assunto para pedir desculpa