Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

PKK ordena cessar-fogo imediato

  • 333

A notícia foi avançada este sábado por meios de comunicação ligados ao partido dos Trabalhadores do Curdistão, horas depois de um atentado terrorista ter provocado pelo menos 30 mortos no centro de Ancara, capital da Turquia

O Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK) disse que a organização deu ordem a todos os seus combatentes para cessarem de imediato todas as suas atividades militares, exceto no caso em que sofram ataques diretos, avançou este sábado a Firat, uma agência de notícias curda.

A notícia citada pelo site noticioso BGC News, de Istambul, surge poucas horas depois de um atentado na capital, Ancara, ter feito pelo menos 30 mortos e mais de 100 feridos, , segundo o Ministério do interior curdo. As vítimas encontravam-se a participar numa marcha pró-curda.

O líder do PKK disse à Firat que a decisão de cessar-fogo foi tomada na sequência de vários apelos vindos quer do interior quer do exterior da Turquia, podendo assim ser evitados atos que possam comprometer a equidade e legitimidade das eleições antecipadas de dia 1 de novembro.

Os separatistas do PKK - Reconhecido como um grupo terrorista pela Turquia, Estados Unidos e União Europeia - travam uma guerra há mais de 30 anos com as forças governamentais, da qual já resultaram mais de 40 mil mortos.
Em 2013, foi negociado um cessar-fogo em Ancara, mas as tréguas dissolveram-se na sequência de um ataque levado a cabo por um bombista suicida na cidade fronteiriça de Suruç, a 20 de julho deste ano, em que morreram 33 ativistas de esquerda pró-turcos. Suspeita-se que este atentado tenha sido provocado por elementos ligados ao autoproclamado Estado Islâmico (Daesh), apesar de a organização não o ter reivindicado.

Em resposta, o PKK tem realizado ataques contra soldados e polícia turcos, acusando Ancara de apoiar o Daesh, uma denúncia negada com veemência pelo Governo da Turquia. Mais de 100 elementos da segurança e inúmeros civis foram mortos em ataques do PKK desde julho deste ano.

Por seu lado, as forças de segurança turcas dizem ter liquidado mais de 2000 combatentes do PKK desde que foram iniciadas as operações antiterrorismo.