Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

EUA dizem que quatro mísseis russos caíram no Irão

  • 333

RUSSIAN DEFENCE MINISTRY PRESS SERVICE/HANDOUT

Dos 26 mísseis disparados dos navios russos no Mar Cáspio, quatro não atingiram posições do Daesh na Síria, e caíram no Irão

Pelo menos quatro mísseis disparados de navios russos para alvos na Síria caíram no Irão, aliado dos russos na defesa do regime de Bashar al-Assad, disseram esta quinta-feira à CNN duas fontes militares norte-americanas.

Para já, os serviços de informações militares dos Estados Unidos desconhecem o local exato onde terão caído os mísseis disparados de navios no Mar Cáspio.

A informação recolhida pelos satélites espiões das Forças Armadas norte-americanas foi, entretanto, desmentida pelo porta-voz do Ministério da Defesa russo, general Igor Konachenkov: "Ao contrário da CNN, nós não fazemos referência a fontes anónimas mas mostramos as trajetórias dos nossos mísseis e os seus alvos praticamente em tempo real”.

Esta quarta-feira, o ministro da Defesa russo, Sergey Shoigu, disse ao Presidente Vladimir Putin, durante um programa de televisão, que tinham sido disparados 26 mísseis de quatro navios rumo a alvos do autodenominado Estado Islâmico (Daesh), os quais foram destruídos sem provocar baixas entre os civis.

Os mísseis de cruzeiro disparados, conhecidos como “Kalibr-NK”, foram recentemente integrados no arsenal dos russos. De acordo com alguns especialistas em armamento, terão sido disparados pela primeira vez a tão longas distâncias.

Com efeito, para alcançarem alvos na Síria, os Kalibr-NK disparados do Mar Cáspio têm de percorrer quse 1500 quilómetros sobrevoando a baixa altitude, para não serem detetados pelos radares, zonas montanhosas no Irão e no Iraque.

Os mesmos especialistas questionam a estratégia seguida pelos russos, considerando que os alvos anunciados – paióis e campos de formação do Daesh – localizados no Norte da Síria, poderiam ser mais eficientemente destruídos por via aérea (os russos já têm algumas dezenas de caças bombardeiros na Síria) ou a partir dos navios russos no Mediterrâneo.