Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

"EL Chapo": o preso de alto risco estava na solitária e os guardas a jogar Solitário. A fuga tornou-se inevitável

  • 333

O México indignou-se quando "El Chapo" voltou a escapar de uma prisão de alta segurança, em julho deste ano, e os media deram conta disso

YURI CORTEZ / AFP / Getty Images

Num país onde não faltam escândalos e massacres relacionados com droga, o mexicano “El Chapo” voltou a fugir e a ser o mais procurado. Novos pormenores da fuga foram agora conhecidos

Luís M. Faria

Jornalista

Em julho passado, quando um dos maiores traficantes de droga mexicanos fugiu pela segunda vez de uma prisão de alta segurança, foi um escândalo no país. "El Chapo", ainda por cima, há anos que era conhecido pela sua habilidade na utilização de túneis, fosse para transporte ou entregas de material, fosse para escapar sempre que a polícia se aproximava de uma das numerosas casas onde se escondia.

Constatar que mais uma vez ele se tinha esvaído através de um túnel - cuja entrada era na casa de banho da sua cela televisionada, e que ia dar a outro túnel subterrâneo onde havia uma motocicleta sobre carris - pareceu demasiado a muita gente. As autoridades rapidamente acusaram uma dúzia de funcionários da cadeia de Altiplano, e o próprio diretor.

Agora, foram divulgadas imagens da sala de controlo de cadeia, onde se vê o que estavam a fazer os guardas à hora da fuga: a jogar Solitário. Quer dizer, alguns guardas, pois outros nem sequer tinham o computador ligado. Na altura, eles disseram que a imagem tinha ficado parada no écrã, mas ao que parece não foi assim. O que sucedeu foi que alguns reiniciaram a seguir os seus computadores. Entretanto, haviam feito umas meras três chamadas de alerta, não as dezenas que mais tarde clamaram.

Imagem de Joaquin Guzman Loera, "El Chapo", recolhida em Fevereiro de 2014, antes de ser detido ma prisão de alta sergurança de onde acabaria por voltar a escapar em julho deste ano

Imagem de Joaquin Guzman Loera, "El Chapo", recolhida em Fevereiro de 2014, antes de ser detido ma prisão de alta sergurança de onde acabaria por voltar a escapar em julho deste ano

ALFREDO ESTRELLA / AFP / Getty Images

A lentidão geral das reações, incluindo a não-ativação de um estado de alerta - que teria avisado o exército - reforça os indícios de que "El Chapo" escapou graças a um largo conjunto de cumplicidades. E talvez não por acaso, num momento em que a sua extradição para os Estados Unidos (onde essas fugas geralmente não acontecem) estava outra vez em vias de ser discutida.