Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Roupas rasgadas, dirigentes em fuga: confusão com despedimentos na Air France

  • 333

Xavier Broseta, chefe de recursos humanos da Air france

KENZO TRIBOUILLARD/ Getty Images

Com a notícia de que a companhia área iria despedir 2900 pessoas, os funcionários manifestaram-se no aeroporto Charles de Gaulle, em Paris. A situação intensificou-se e o chefe de recursos humanos ficou sem camisa, enquanto o chefe dos voos de longo curso ficou com a roupa rasgada

A Air France prepara-se para despedir trabalhadores. Esta segunda-feira, estava marcada uma reunião para as chefias definirem o processo. Os trabalhadores, descontentes com a notícia, manifestaram-se à entrada do aeroporto Charles de Gaulle, em Paris. Dois dirigentes tiveram mesmo de fugir. No meio da confusão, ficaram com as roupas rasgadas e foi preciso trepar uma vedação para escapar.

Xavier Broseta, chefe de recursos humanos daquela companhia área, ficou apenas com a gravata ao pescoço. Os manifestantes arrancaram-lhe a camisa. Já Pierre Plissonnier, chefe dos voos de longo curso, acabou com o fato cheio de rasgões. Ambos precisaram da ajuda de seguranças para sair do meio dos trabalhadores em protesto e para trepar dois metros de meio de vedação.

“Estes ataques são levados a cabo por indivíduos isolados e particularmente violentos, uma vez que que o pessoal em greve têm-se demostrado calmo”, referiu a Air France através de comunicado, citada pela “Bloomberg”. Entretanto, a empresa já apresentou queixa.

Pierre Plissonnier, chefe dos voos de longo curso da Air France

Pierre Plissonnier, chefe dos voos de longo curso da Air France

JACKY NAEGELEN/ Getty Images

A Air Frace está a trabalhar num plano B, depois de as conversações com os pilotos terem falhado e ambas as partes não terem chegado a acordo sobre o aumento do número de horas de trabalho. Os pilotos recusaram trabalhar mais pelo mesmo preço. Este novo plano, que está agora em cima da mesa e contra qual os funcionários se manifestam, prevê a saída de 300 pilotos, 900 assistentes de bordo e 1700 funcionários de terra. Um total de 2900 pessoas.

Esta ação dos trabalhadores não deverá alterar os planos da empresas. No entanto, segundo a agência Reuters, conseguiram adiar a reunião da chefia.

O anúncio do despedimento em massa surgiu na semana passada (a Air France vai ainda cortar no numero de rotas e de aviões) e acontece no seguimento de a empresa não ter chegado a acordo com os pilotos para que estes trabalhassem mais horas pelo mesmo ordenado. Desde 2011, segundo a “Bloomberg”, que a companhia aérea tem sofrido perdas.

A Air France não fazia despedimentos forçados desde 1990.

JACKY NAEGELEN/ Getty Images