Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Primeiro-ministro israelita disposto a negociar com palestinianos

  • 333

ANDREW KELLY/REUTERS

Benjamin Netanyah diz-se disposto a retomar de imediato as negociações de paz com a Autoridade Palestiniana, “sem qualquer condição prévia”

Num discurso perante a Assembleia-Geral das Nações Unidas (ONU), o primeiro ministro israelita garantiu esta quinta-feira que está disposto a retomar as negociações com a Autoridade Palestiniana, interrompidas desde abril de 2014. E aproveitou para tecer fortes críticas ao acordo nuclear com o Irão.

“Estamos preparados para retomar de imediato as negociações de paz com a Autoridade Palestiniana sem qualquer condição prévia. Infelizmente, o Presidente Mahmud Abbas disse quarta-feira que não estava disposto a isso, mas espero que mude de ideia”, declarou o primeiro-ministro israelita num discurso que durou cerca de 43 minutos.

Benjamin Netanyahu apelou ao sentido de compromisso da Autoridade Palestiniana, sustentando que é preciso ultrapassar os obstáculos de ambos os lados. “Sei que não é fácil, mas devemos isso aos nossos povos. Temos que tentar outra vez”, acrescentou.

Reiterou ainda as críticas face ao acordo nuclear entre o Irão e as principais potências mundiais, alertando que quando as sanções forem todas levantadas o regime de Teerão continuará a constituir um ameaça. “Não permitiremos que o Irão adira o clube mundial das armas nucleares. Faremos tudo o o que for necessário pela nossa defesa. Desengane-se o Irão se pensa que destruirá Israel, pois fracassará.”

Netanyahu garantiu ainda que Israel está empenhado em conjunto com a comunidade internacional para combater o autoproclamado Estado Islâmico (Daesh). “Israel está a trabalhar de perto com os nossos parceiros árabes para responder aos desafios ao nível da segurança não só do Irão, como do Daesh e outros.”

Do lado palestiniano, a resposta não tardou. O chefe da equipa de negociações afirmou que não foram os palestinianos que impuseram condições para paz. "Temos pedido que Israel cumpra os seus compromissos com os palestinianos, algo que ate agora não foi feito", disse Saeb Erekat.

O discurso de Netanyahu vem acentuar a tensão existente entre Jerusalém e Washington, sobretudo depois do acordo nuclear alcançado a 14 de julho. Por seu turno, Barack Obama continua a insistir que o acordo foi a melhor solução para evitar um novo conflito no Médio Oriente e aumentar a segurança na região e no mundo.