Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

O herdeiro (e filho ilegítimo) de Lukashenko foi à ONU e o caso fez espanto

  • 333

JUAN BARRETO/ AFP/ Getty Images

Kolya é filho do presidente da Bielorússia, Alexander Lukashenko, e vai com o pai para todo o lado. Há quem diga que o rapaz está a ser preparado para suceder o “último ditador da Europa”, mas o progenitor diz que Kolya é apenas um miúdo muito agarrado ao pai. Pai e filho foram à assembleia geral das Nações Unidas, posaram com o casal Obama e há quem se tenha espantado

Levar o filho para o emprego não é propriamente uma prática incomum. Seja porque os pais querem mostram aos petizes o que fazem, seja porque não têm outro sítio onde deixá-los ou simplesmente porque não há outra solução. No entanto, há empregos e empregos. Neste caso, o presidente da Bielorrússia, Alexander Lukashenko, decidiu levar o seu herdeiro de 11 anos para a reunião das Nações Unidas, em Nova Iorque.

Nikolai, assim se chama o rapaz, sentou-se na mesma sala que os mais altos representantes de Estado de vários países - incluindo Cavaco Silva -, visitou o memorial da vítimas do 11 de Setembro e pousou para a fotografia com Michelle e Barack Obama.

De olhos e cabelos claro, o jovem engravatado assistiu com atenção ao discurso do pai, sentado entre o ministro dos Negócios Estrangeiros da Bielorrússia e o assessor de imprensa da presidência daquele país. Enquanto isso, Alexander Lukashenko discursava sobre as intervenções militares no Médio Oriente.

Nikolai, também conhecido por Kolya, é apontado como o sucessor do “último ditador da Europa” (não são palavras nossas, pertencem ao presidente bielorusso para se descrever, diz a BBC). Lukashenko nega que esteja a preparar a criança para o suceder. Segundo a BBC, o chefe de Estado justifica a presença da criança em vários eventos oficiais dizendo que o rapaz é muito agarrado ao pai e que até se recusa a dormir quando este não está presente. Para poupar dores de cabeça, o melhor é levar o petiz para todo o lado.

No começo de setembro, por exemplo, Kolya acompanhou Alexander Lukashenko na visita oficial a Pequim, na China, para a cerimónia de comemoração do fim da Segunda Guerra Mundial. Em 2014 visitou também a Grande Mesquita em Abu Dhabi, nos Emirados Árabes Unidos, onde conheceu o xeque Zayed.

Um miúdo que apareceu fora do casamento e que já esteve com o Papa e Putin

Nasceu em 2004, mas só em 2008 é que a Bielorrússia o conheceu. Nikolai é filho ilegítimo de Alexander Lukashenko, fruto de um caso extraconjugal com a médica do presidente, Irina Abelskaya (o nome da mãe não é confirmado pelo governo). É mais novos dos três filhos do chefe de Estado e nunca conheceu a mãe, pois o pai não quis.

Na altura, escreve o jornal polaco “Gazeta Wyborcza”, houve quem apontasse o dedo a Lukashenko por estar a usar a imagem do filho bastardo para mostrar um lado mais sensível. “Esta não é uma campanha de relações públicas. Sou o único presidente com um filho? Sim, o Kolya pertence à política. Esse é o seu destino como criança presidencial”, justificou Alexander Lukashenko.

Nos 11 anos de vida de Kolya, o rapaz já viajou mais do que a maioria dos miúdos da sua idade. “Quando percebe pela televisão que eu fui a algum local e não o levei, faz uma cena”, referiu o pai. Já esteve numa audiência com o Papa Bento XVI, conheceu Hugo Chávez, Raul Castro e diversos presidentes - da Rússia, Ucrânia e Arménia, por exemplo.

Por agora, o futuro de Kolya é incerto. Os media locais relembram uma entrevista do jovem em que este afirma que deseja juntar-se às forças militares da Bielorrússia para defender a sua pátria.