Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Audi admite ter software fraudulento instalado em mais de dois milhões de veículos

  • 333

ARMIN WEIGEL / EPA

Depois da Seat, é mais uma empresa do grupo Volkswagen - além da própria VW - a admitir ter veículos a diesel afetados por um dispositivo fraudulento que mascara as emissões poluentes

A Audi, empresa do grupo Volkswagen (VW), admitiu esta segunda-feira que 2,1 milhões dos seus veículos a diesel estão equipados com o software que permite falsificar os resultados de emissões poluentes. Para já, foram identificados 577 mil veículos afetados na Alemanha e 13 mil carros nos Estados Unidos.

A marca alemã é assim a segunda do grupo VW - além da Seat (e da própria Volkswagen) - a admitir que os seus veículos estão envolvidos no escândalo. A revelação é feita depois de uma semana marcada pela polémica que envolveu a Volkswagen. O sistema fraudulento que a empresa utilizava para mascarar as emissões poluentes nos seus veículos a diesel foi exposto e a VW acabou por perder quase 38% em bolsa em apenas três dias.

No total, cerca de 11 milhões de carros a diesel em todo o mundo estão equipados com o dispositivo em causa. Na sequência do escândalo, o presidente do grupo alemão, Martin Winkerton, acabou por se demitir. Foi substituído pelo presidente da Porsche, Matthias Mueller.

Fontes citadas pela agência Reuters revelam que a Volkswagen já suspendeu os chefes de investigação e desenvolvimento das marcas Volkswagen, Audi e Porsche, mas a confiança dos investidores continua a cair - as ações da empresa alemã estavam a desvalorizar mais 7% esta segunda-feira.