Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Egito amnistia jornalistas da Al Jazeera

  • 333

Mohamed Fahmy abdicou da nacionalidade egipcia e vai ser deportado para o Canadá

KHALED ELFIQI/EPA

Os dois repórteres da estação televisiva do Qatar estavam a cumprir uma pena de três anos de prisão, acusados de colaborarem com a Irmandade Muçulmana e com o Presidente deposto Mohammed Morsi

O Presidente egípcio Mohammed Fahmy amnistiou esta quarta-feira um grupo de 100 prisioneiros, entre os quais se encontram os jornalistas da Al Jazeera Mohamed Fahmy e Baher Mohamed, anunciou à agência France Presse um porta-voz presidencial.

O perdão surge na véspera do Presidente egípcio participar na cimeira anual dos líderes mundiais nas Nações Unidas, e antes do festival islâmico Eid al-Adha.

Um terceiro jornalista da Al Jazeera também condenado, o australiano Peter Greste, já conseguira em fevereiro ser libertado.

Acusados de colaborarem com a Irmandade Muçulmana e com o Presidente deposto Mohammed Morsi, os jornalistas sempre se declararam inocentes. Haviam sido condenados inicialmente e sete e a dez anos de prisão, mas os seus casos voltaram a ser julgados, acabando no mês passado por terem sido sentenciados ambos a três anos de prisão.

Mohammed Fahmy, que renunciou a nacionalidade egípcia para ser deportado, deverá viajar para o Canadá mal seja libertado.

Entre os cem presos amnistiados encontram-se ainda dezenas de ativistas políticos. Não foram apresentados quaisquer motivos para justificar esta decisão presidencial.