Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Estados Unidos disponíveis para conversações militares com a Rússia

  • 333

A guerra na Síria, que começou em 2011, já matou milhares de pessoas

KHALIL ASHAWI

As conversações visam a cooperação dos dois países contra o autoproclamado Estado Islâmico e a criação de mecanismos que permitam pôr fim aos conflitos na Síria

Helena Bento

Jornalista

O secretário de Estado norte-americano John Kerry disse esta sexta-feira que os Estados Unidos estão disponíveis para iniciar conversações militares com a Rússia sobre a guerra na Síria.

O primeiro de uma série de contactos que visam a cooperação dos dois países contra o autoproclamado Estado Islâmico e a criação de mecanismos que permitam pôr fim aos conflitos na Síria foi feito ainda esta sexta-feira.

Os ministros da Defesa americano e russo, Ashton B. Carter e Sergei Shoigu, falaram ao telefone durante cerca de 50 minutos, tendo a conversa entre ambos sido descrita como "construtiva" pelo porta-voz do Pentágono, Peter Cook.

O apoio da Rússia ao Presidente sírio Bashar al-Assad tem vindo a ser questionado nas últimas semanas, depois de terem sido observadas uma série de manobras que sugerem o reforço da operação militar russa na Síria, incluindo a instalação de uma torre de controlo aérea e de casernas com capacidade para mais de mil soldados numa base próxima da cidade portuária de Latakia. Na altura, também foram requisitadas licenças para dar início a voos militares em vários países vizinhos.

Segundo o "New York Times", que cita fonte oficial não identificada, foram vistos nos últimos dias vários meios aéreos na base perto de Lakatia, incluindo quatro caças e helicópteros, alguns deles também de combate.

Outra fonte citada pelo jornal norte-americano confirmou que foram enviados 200 soldados russos para o local. Durante a conversa desta sexta-feira, o secretário da Defesa russo garantiu a John Kerry que se trata de operações militares de defesa, mas o Governo de Moscovo já disse estar pronto para enviar tropas para a Síria se o pedido lhe for feito.