Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Diretor financeiro da FIFA assume gestão corrente do organismo

  • 333

A FIFA suspendeu Jérôme Valcke depois de ter tomado conhecimento de “uma série de denúncias envolvendo o secretário-geral”

Shaun Botterill / Getty Images

Diretor financeiro da FIFA há 12 anos, Markus Kattner foi designado secretário-geral adjunto em 2007, na mesma altura em que Jérôme Valcke, agora suspenso, se tornou secretário-geral e braço-direito do presidente Joseph Blatter

O diretor financeiro e secretário-geral adjunto da FIFA, o alemão Markus Kattner, vai gerir os assuntos correntes do organismo que rege o futebol mundial na sequência da suspensão do francês Jérôme Valcke, noticia esta sexta-feira a AFP.

“Será Markus Kattner quem vai gerir os assuntos correntes, uma vez que é ele o secretário-geral adjunto”, refere um porta-voz da FIFA, organismo que esta quinta-feira anunciou a suspensão imediata e a abertura de uma investigação por alegada conduta imprópria ao seu secretário-geral.

Kattner, que desempenha as funções de diretor financeiro da FIFA desde 2003, foi designado secretário-geral adjunto em 2007, na mesma altura em que Valcke se tornou secretário-geral do organismo e braço-direito do presidente, o suíço Joseph Blatter, agora demissionário.

A FIFA suspendeu o dirigente francês depois de ter tomado conhecimento de “uma série de denúncias envolvendo o secretário-geral”, que davam conta de um alegado benefício num acordo para a venda de bilhetes a preço inflacionado, solicitando uma investigação oficial ao Comité de Ética.

As acusações, que Valcke, de 54 anos, qualifica de “fabricadas e ultrajantes”, foram feitas por um consultor de uma empresa que concluiu o acordo com a FIFA para a venda de bilhetes para o Mundial2014, apesar de o contrato ter sido cancelado.

O Ministério Público suíço anunciou a 27 de maio a abertura de um processo contra desconhecidos por suspeitas de fraude e lavagem de dinheiro no âmbito da atribuição das organizações dos Mundiais de 2018, à Rússia, e de 2022, ao Qatar, enquanto a polícia helvética detinha sete membros da FIFA, num hotel de Zurique.

No mesmo dia, o Departamento de Justiça dos Estados Unidos indiciou nove dirigentes ou ex-dirigentes e cinco parceiros da FIFA, acusando-os de associação criminosa e corrupção nos últimos 24 anos, num caso em que estarão em causa subornos no valor de 151 milhões de dólares (quase 140 milhões de euros).

Dois dias depois, Joseph Blatter foi reeleito para um quinto mandato à frente do organismo, mas acabou por se demitir, na sequência do escândalo de corrupção que atingiu o organismo que rege o futebol mundial.