Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Peritos identificam segundo estudante dos 43 mortos no México

  • 333

© Henry Romero / Reuters

Os restos de outro aluno, pertencente ao grupo dos 43 estudantes mexicanos que desapareceram no ano passado em Iguala, foram identificados pelos peritos da Universidade de Innsbruck, na Áustria

Jhosivani Guerrero de la Cruz foi o segundo estudante entre os 43 desaparecidos em setembro do ano passado a ser identificado. Alexander Mora Venâncio foi o primeiro, em dezembro desse mesmo ano. Segundo o procurador geral mexicano, Arely Gomez, o jovem vivia na cidade de Omeapa, no sul do estado de Guerrero, de onde os estudantes desapareceram há quase um ano (a 26 de setembro de 2014). Foram assassinados e queimados por membros de um gangue de droga que trabalhavam com polícias corruptos daquela região no sudoeste do México.

Felipe de la Cruz, o porta-voz dos familiares das 43 vítimas, não se mostra 100% convencido com esta última identificação, afirmando que uma equipa de peritos da Argentina, que também está a trabalhar no caso, diz não existirem certezas absolutas.

Recorde-se que o Governo mexicano apresentou a sua versão sobre o que poderá terá acontecido naquele dia. Segundo o Executivo, os 43 estudantes, que planeavam fazer uma recolha de fundos, foram perseguidos pela polícia municipal de Iguala, e entregues à policia vizinha de Cocula, identificada como corrupta.

Os polícias estariam convencidos de que o grupo integrava elementos do gangue “Los Rojos” e, por este motivo, e a troco de dinheiro, entregaram os jovens ao gangue de droga rival, os “Guerreros Unidos”, numa paragem de autocarro. Daqui, terão sido levados para uma lixeira nos arredores, queimados numa enorme fogueira e os seus restos posteriormente depositados em valas clandestinas.

Esta teoria, porém, não convence os familiares das vítimas que pedem mais investigações. Na semana passada, um conjunto independente de peritos também questionou partes cruciais da investigação desencadeada pelo Governo, pondo em causa que os 43 corpos tenham sido queimados na lixeira em Cocula.