Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

“Não somos capazes de receber mais pessoas”

  • 333

ANTONIO BRONIC/ Reuters

Um grupo de refugiados conseguiu furar o cordão policial na fronteira croata e agora percorre o seu caminho por caminhos de ferro e campos agrícolas. O Governo croata já admite ter de arranjar novas formas de lidar com a situação

A Croácia anunciou quarta-feira que iria deixar passar livremente os refugiados pelo país. Pouco mais de 24 horas depois, o tom começa a mudar. Esta quinta-feira, o ministro do Interior croata disse que o país já não é capaz de receber mais pessoas e, caso o fluxo de refugiados continue, terão de “ser consideradas novas formas de lidar com a situação”. Só nas últimas horas entraram 6500 refugiados em território croata. Nos últimos dois dias, foram contabilizados 7300.

"A polícia croata tem controlo total na fronteira, mas se os migrantes continuarem a chegar em larga escala da Sérvia, temos de considerar novas formas de lidar com a situação”, admitiu Ranko Ostojic, ministro do Interior da Croácia, citado pela agência Reuters.

Ostojic referiu ainda que qualquer pessoa que não procure asilo será considerada migrante ilegal. “Não somos capazes de receber mais pessoas.”

A pressão aumenta no país. “Cenário caótico”, descreve a agência Reuters. Para a fronteira foram enviados mais de 100 elementos da polícia de intervenção, acrescenta o jornal britânico “The Guardian”.

Em Tovarnik, a cidade croata mais próxima da Sérvia, os militares tentam acalmar as multidões de homens, mulheres e crianças que esperam para entrar nos autocarros com destino aos centros de acolhimento e registo em diversos outros pontos do país.

“Só quero seguir caminho. Poderei regressar à Síria, mas só daqui a uns anos. Por agora, aquilo por lá é demasiado perigoso”, conta Kamal Al'hak, um dos muitos refugiados que espera sentado no chão pela sua vez de entrar na Croácia. A dificultar a espera está o intenso calor que se faz sentir. Os termómetros marcam cerca de 36 graus.

A situação complicou-se quando algumas pessoas conseguiram romper o cordão policial. Cerca de 500 pessoas conseguiram entrar ilegalmente na Croácia e caminham agora por linhas de comboio e campos agrícolas.

Um grupo de cerca de 500 pessoas furou o cordão policial

Um grupo de cerca de 500 pessoas furou o cordão policial

Jeff J Mitchell/ Getty Images

Também nos arredores de Zagreb, as autoridades tomaram posição junto a um centro habitacional. Segundo a Reuters, centenas de pessoas gritavam nas varandas: “Liberdade! Liberdade!”. Outros atiram rolos de papel higiénico pela janela.

“Quando dissemos que tínhamos um corredor de passagem preparado, significava que tínhamos um corredor entre Tovarnik [na fronteira] e Zagreb [capital]” , explicou agora o ministro do Interior da Croácia, sugerindo assim que não irá simplesmente deixar passar os refugiados até à Eslovénia.

A polícia local parece não estar preparada para o que está a acontecer. A Croácia não esperava, ao anunciar a livre passagem de refugiados, que de um momento para o outro aparecesse tanta gente. Depois de a Hungria fechar as portas, a Croácia transformou-se no novo ponto de passagem para os refugiados que tentam chegar à Europa Ocidental.

Em Horgos foram poucos os que não rumaram à Croácia

Em Horgos foram poucos os que não rumaram à Croácia

Christopher Furlong/ Getty Images

No início desta semana entrou em vigor a nova legislação anti-imigração na Hungria. Quem for apanhado a entrar de forma ilegal no país pode mesmo arriscar-se a ser preso - o que já aconteceu nestes dias.

Entretanto, segundo o “The Guardian”, a Áustria expandiu as medidas de controlo à fonteira com a Eslovénia, em antecipação a uma possível onda de chegada de refugiados.

Para tentar encontrar uma solução para este fenómeno, os líderes da União Europeia agendaram uma cimeira extraordinária para a próxima quarta-feira. A informação foi divulgada pelo presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, no Twitter.