Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Teoria de “sub-homem” alimenta sentimento de racismo na África do Sul

  • 333

A recente descoberta de uma nova espécie humana na África do Sul tem suscitado uma acesa polémica em torno da teoria de um “sub-homem”, alimentando o racismo num país ainda com resquícios do apartheid

"Ninguém vai desenterrar os velhos mitos dos macacos para apoiar a teoria de que sou descendente de babuínos", indignou-se Zwelinzima Vavi, secretária-geral da poderosa confederação sindical sul-africana COSATU, aliado fiel do Congresso Nacional Africano (ANC, no poder).

"Fui tratada como um babuíno toda a minha vida, tal como os meus pais e avós. Não sou filha de um orangotango, de um macaco ou de um babuíno. Ponto final", escreveu Vavi na sua conta no Twitter, seguida por mais de 300 mil pessoas, e citada esta quarta-feira pela agência France Presse.

Apesar de o regime de segregação racial ter sido abolido oficialmente em 1994, a questão do racismo e as suas consequências socioeconómicas tem estado no centro de polémicas na sociedade sul-africana.

Mesmo depois dos progressos registados após mais de duas décadas, persistem as desigualdades entre a maioria negra, que conta com 28% de taxa de desemprego, e a minoria branca, com 10% da população sem emprego.

A reação de Vavi surge após a descoberta, na semana passada, de restos mortais de uma espécie do género humano a que os cientistas denominaram "Homo Naledi".

O paleontólogo na origem da descoberta, o mediático Lee Berger, investigador norte-americano ligado à universidade sul-africana de Witwatersrand, em Joanesburgo, tem tentado pôr água na fervura em relação à polémica, defendendo que o Homem não descende do babuíno.

Segundo a equipa de investigadores envolvida, o corpo do "Homo Naledi" evoca o homem moderno, enquanto o respetivo crânio, do tamanho de uma laranja, se aproxima mais de um "australopitecos" (grupo pré-humano).

Cerca de 1.550 fósseis foram exumados da "Câmara às Estrelas", uma gruta próxima do local conhecido por "Berço da Humanidade", cerca de 50 quilómetros a noroeste de Joanesburgo, que há décadas constitui uma mina para os paleontólogos.

As ossadas ainda não foram datadas, mas poderão, dizem os investigadores, permitir saber algo mais sobre a transição acontecida há cerca de dois milhões de anos entre o australopitecos primitivo e o primata do género "homo", ancestral direto do Homem.

No centro da polémica, está em causa o facto de alguns estarem a pôr em causa a própria teoria da evolução, até hoje objeto de consenso científico.

Para Mathole Motshekga, deputado e antigo líder do grupo parlamentar do ANC, essa nova teoria sustenta a ideia de que os africanos têm origem em "sub-homens", razão pela qual os habitantes do continente negro não são respeitados no mundo.

"A descoberta do 'Homo Naledi' parece calculada para dar razão aos defensores do 'apartheid', que afirmam que nós, negros africanos, descendemos do reino dos animais. Até nos negaram o estatuto de ser humano para justificar a escravatura, o colonialismo e a opressão", sublinhou Motshekga a uma televisão local.

A polémica em torno da questão foi já alimentada até pelo próprio Conselho Nacional das Igrejas, organização historicamente implicada na luta contra o "apartheid" e que reagrupa anglicanos e metodistas sul-africanos.

"É um insulto dizer que descendemos de babuínos. Muitos ocidentais pensam que os negros são babuínos", reagiu o bispo Ziphozihle Siwa, dirigente do Conselho.