Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

França admite suspender Schengen

  • 333

JACKY NAEGELEN/ Reuters

Primeiro-ministro francês anunciou a abertura de 900 vagas nas forças policiais, incluindo na guarda fronteiriça

A França "não hesitará" em restabelecer temporariamente o controlo das fronteiras "se nos próximos dias ou semanas se revelar necessário", afirmou esta quarta-feira o primeiro-ministro francês, Manuel Valls.

"Já esta primavera restabelecemos controlos temporários nessa fronteira (franco-italiana). E não hesitaremos em fazê-lo de novo, como as regras de Schengen permitem quando as circunstâncias se impõem, se nos próximos dias ou semanas se revelar necessário", disse Valls num debate na Assembleia Nacional sobre a crise migratória.

Manuel Valls anunciou a abertura de 900 vagas nas forças policiais, incluindo na guarda fronteiriça.

O primeiro-ministro disse ainda que vai aumentar em 279 milhões de euros a verba destinada ao acolhimento de refugiados e candidatos a asilo.

Já quatro países suspenderam o Acordo de Schengen. A Alemanha foi a primeira. Seguiram-se a Áustria, Eslováquia e, mais recentemente, a Eslováquia. Entretanto, a República Checa também anunciou o aumentou do controlo, mas apenas na fronteira com a Áustria.

Uma posição totalmente diferente tomou a Croácia. Em vez de fechar fronteiras, os croatas anunciaram, esta quarta-feira, que vão permitir a livre passagem de migrantes pelo país.

  • A Europa “manta de retalhos” recusa-se a agir unida

    Preparada para acolher um milhão de refugiados, a Alemanha volta a controlar as fronteiras para dosear o fluxo de entrada de refugiados que continua a receber. Outros países, que recusam as quotas de refugiados calculadas por Bruxelas, fecham as fronteiras e o espaço Schengen fica ameaçado. Preveem-se obstáculos reforçados para quem procure proteção na Europa rica