Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Seis mitos sobre os refugiados

  • 333

Combatentes do autodenominado Estado Islâmico (Daesh) entre os refugiados, migrantes que recusam ajuda humanitária da Cruz Vermelha por motivos religiosos, uma invasão muçulmana às portas da Europa: os mitos na Internet e nas redes sociais alimentam a propaganda anti-islâmica e a retórica contra os refugiados. Contra os mitos falam os factos. Vale a pena conhecê-los

1. Um combatente do Daesh entre os refugiados

"Lembram-se deste homem? A posar numa foto do Estado Islâmico no ano passado – agora é um refugiado! Somos parvos ou quê?", lê-se no texto a acompanhar estas duas imagens, partilhadas milhares de vezes nas redes sociais nos últimos dias. Seriam alegadamente de um antigo combatente do Daesh descoberto num grupo de refugiados na fronteira entre a Grécia e a Macedónia. Na verdade, indica a BBC, o homem em causa, Laith Al Saleh, é um antigo comandante do Exército de Libertação da Síria, que combate as forças do Daesh, e a história dele tinha até sido contada pela agência Associated Press em agosto.

A possibilidade de existirem militantes do Daesh entre os refugiados sírios que chegam à Europa é uma hipótese muito difícil de comprovar. Foi levantada por algumas personalidades, incluindo Michèle Coninsx, presidente do Eurojust, a agência de cooperação judicial da União Europeia, e por um conselheiro líbio (ou será antes um traficante de armas?), mas tem sido negada por várias organizações, incluindo a Organização Internacional para as Migrações e os Médicos Sem Fronteiras. Em entrevista esta semana à Renascença, o alto comissário das Nações Unidas para os Refugiados, António Guterres, afirmou mesmo que os movimentos terroristas e de combatentes não se fazem "metendo-se em barcos que podem afundar-se".

O movimento faz-se sobretudo em sentido inverso. Cerca de 3000 combatentes europeus juntaram-se às fileiras do Daesh.

2. Recusam comida da Cruz Vermelha por causa... da cruz

Um vídeo amplamente difundido nas redes sociais mostra refugiados junto à fronteira da Macedónia com a Grécia a protestar e a recusar pacotes marcados com o logo da Cruz Vermelha, alegadamente devido ao símbolo, semelhante à cruz cristã. A hipótese, porém, foi desmentida pelo próprio autor do vídeo. Em declarações ao jornal online italiano Il Post, Predrag Petrovic, editor-chefe do site macedónio de notícias a1on.mk, que filmou a cena, esclarece que os migrantes recusaram a ajuda em protesto por não poderem entrar na Macedónia.

Os refugiados, referiu Petrovic, tinham chegado há três dias à zona de fronteira e, quando o vídeo foi filmado, estavam há duas horas debaixo de chuva forte. Quando a Cruz Vemelha chegou para distribuir água e comida, recusaram a ajuda em protesto. A polícia macedónia apenas autorizava a passagem de 200 a 300 refugiados a cada duas horas, porque era essa a capacidade do comboio que os levaria até à fronteira com a Sérvia.

A versão foi confirmada pela coordenadora de comunicação da Cruz Vermelha, Corinne Ambler. Num email ao Il Post, revelou que os migrantes reagiram "por frustração". A responsável afirmou ainda que a organização tem prestado auxílio a milhares de pessoas naquela zona, distribuindo por semana "3000 a 4000 pacotes", que têm sido aceites "com gratidão sem incidentes de pessoas a recusarem-nos".

3. São tão pobres, mas pagam milhares aos contrabandistas...

A maioria destes refugiados que chega agora à Europa não foge da pobreza, mas da guerra e da morte. E não é preciso ser pobre para temer o Daesh ou as bombas do presidente sírio Bashar al-Assad. 34% dos refugiados que chegam pelo mar à Europa são da Síria, 12% do Afeganistão e 12% da Eritreia. Muitos dos que procuram asilo na Europa são de classe média, com educação universitária e falam inglês.

4. …e têm smartphones

Vale a pena ler ESTE artigo do diário britânico "The Independent", quanto mais não seja pelo título: "Surprised that Syrian refugees have smartphones? Sorry to break this to you, but you're an idiot". A Síria não é um país rico (segundo os últimos dados disponíveis, de 2007, 35% da população vive abaixo do limiar da sobrevivência), mas também não é dos mais pobres: o PIB per capita rondava os 3000 euros em 2012, mais do dobro, por exemplo, de São Tomé e Príncipe, e à frente de quase 70 outros países (dados do Banco Mundial). Em 2014, havia no país cerca 87 telemóveis por cada 100 habitantes. Muitos smartphones com sistema Android custam menos de 100 euros e iPhones de segunda geração - os 3G - podem ser adquiridos por bem menos.

5. Querem invadir a Europa

Se considerarmos apenas os refugiados sírios, os cerca de 250 mil que até junho tinham batido às portas da Europa são apenas 2% do total de refugiados provocados pela guerra na Síria. Há cerca de quatro milhões de refugiados espalhados pelos países vizinhos (só o Líbano recebe 1,2 milhões, mais de um quarto da população do país), segundo o Alto Comissariado da ONU para os refugiados. Menos de 350 mil pediram asilo na Europa. O número constitui apenas 0,02% do total da população da Europa (cerca de 740 milhões).

6. Quase um quarto dos muçulmanos é radical

O vídeo tem mais de um ano, mas foi recuperado agora pela propanda contra os refugiados sírios. Num simpósio nos Estados Unidos, Brigitte Gabriel, uma famosa ativista anti-islâmica, afirmou que "15 a 25% dos muçulmanos são radicais", ou seja, "180 a 300 milhões de pessoas dedicadas à destruição da civilização ocidental". A declaração, aplaudida de pé numa sala cheia de islamofóbicos, foi desmontada pelo prestigiado "The Christian Science Monitor". A publicação cita Angel Rabasa, especialista em radicalização islâmica e autor do livro "EuroJihad", segundo o qual "menos de um por cento" da população muçulmana que vive na Europa está "em risco" de radicalizar-se, o que não significa que vão todos a correr pegar numa arma ou numa bomba.